segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

AQUELES QUE SOBRARAM


Nesses últimos instantes de 2019, estou correndo para assistir ao maior número possível de concorrentes ao Oscar de melhor filme internacional, uma obsessão recorrente minha. Um título que estava dando sopa faz tempo na Netflix e eu só catei neste domingo foi o candidato da Suíça, "O Despertar de Motti". É uma comédia fofinha e inofensiva sobre um jovem judeu ortodoxo de Zurique, que quer escapar das dates arranjadas por sua "mame" caricata e namorar quem ele quiser - i.e. uma colega de classe "shiksa" (cristã). Infelizmente, minha fruição da película ficou prejudicada depois que o ator Joel Basman tirou a barba e ficou feinho de doer.


Entrei na sessão de "Aqueles que Ficaram" com a maior das más vontades. Queria só ver se esse filme húngaro é de fato melhor que "A Vida Invisível", para ter entrado na lista dos 10 pré-classificados ao Oscar. E adivinha? Mas não é mesmo. Esse ano a Academia revolveu voltar aos velhos maus tempos, quando bastava um longa resvalar no Holocausto para se tornar um forte candidato. Como no tão-chato-quanto "Uma Mulher Alta", a trama deste se passa no imediato pós-2a. Guerra. A história da órfã criada por um estranho até que tem seus momentos, mas não se compara à de Guida e Eurídice. O que fez com que fôssemos ignorados? A cena do pau duro?


Nas últimas horas de 2019, ainda encasquetei o representante do Vietnã, que, por alguma razão misteriosa, está disponível na Netflix. E não é que "Fúria Feminina" é divertidíssimo? É cinemão popular, mas muito bem feito. A trama é básica: uma mulher meio barra pesada tem a filha sequestrada, e bota pra quebrar. Mas as sequências de luta são coreografadas e filmadas de maneira sublime - especialmente uma entre a heroína e a bandidona sapatona, em um vagão em movimento com a porta aberta. E assim cheguei à espantosa marca de 28 candidatos ao Oscar de melhor filme internacional já assistidos (dos quais sete continuam no páreo). Segura que ano que vem tem mais.

Um comentário:

  1. Esses filmes de artes chatos... só assisto pra me divertir.

    ResponderExcluir