sábado, 2 de novembro de 2019

VIRGEM DE NOVO


Lília Cabral teve dois enormes sucessos no teatro na última década e meia. O primeiro, "Divã", virou filme e depois série de TV. O segundo, "Maria do Caritó", deve seguir pelo mesmo caminho. A história da mulher mantida virgem para pagar uma promessa do pai (ou seja, guardada no caritó, a prateleira alta de algumas casas nordestinas, longe do alcance das crianças) ficou menos frenética na tela do que no palco, mas tão engraçada quanto e com um final um teco mais contemporâneo. "Cine Hollyúdi" provou que dá para fazer humor popular na televisão sem baixar o nível nem a audiência. Não duvido que já tenha gente na Globo pensando na primeira temporada de "Maria do Caritó".

4 comentários:

  1. Legal, uma comédia brasileira que não é gritada. Esse rapaz que faz o filme é o ator do momento, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Gustavo Vaz? Ele é ótimo. Também está em "Depois a Louca Sou Eu", que eu vi na Mostra.

      Excluir
  2. Roteirista do Partiu Shopping não aprovou meu comentário kkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos, três coisas:

      1) Poucos roteiristas escolhem o que fazem. A maioria de nós faz o que pinta. Aliás, se pintar, já é motivo para comemorar.

      2) Dito isto, não tenho do que me envergonhar pelo "Partiu Shopping". Foi um trabalho regiamente bem pago e me deu a oportunidade de trabalhar com atrizes talentosíssimas como Nany People e Monique Alfradique.

      3) Seu comentário anterior não foi aceito porque transborda negatividade e amargura, e eu não faço blog para me aborrecer. Mas ficou claro que você tem algum problema sério, que obviamente não fui eu quem causou. Aqui você sempre terá um ombro amigo, embora não mereça.

      Excluir