segunda-feira, 11 de novembro de 2019

JOYLESS

"Joy", o representante da Áustria no próximo Oscar, tem um título irônico. Poucas coisas são menos alegres do que este filme sobre uma prostituta nigeriana em Viena. Ela tem uma dívida quase impagável, sofre agressões diariamente e ainda tem uma família que inventa doenças para ela mandar mais dinheiro. O que torna "Joy" palatável é a interpretação estóica de Anwulika Alphonsus (se ela chorasse o tempo todo ia ser um suplício para o espectador) e a direção sem firulas de Sudabeh Mortezai. O longa está disponível na Netflix desde maio, mas só me chamou a atenção depois que foi inscrito no Oscar. Merece a sua também.

ATUALIZAÇÃO: Logo depois que eu subi este post, a Academia anunciou que "Joy" foi desclassificado do páreo pelo Oscar. O motivo: dois terços dos diálogos são em inglês. A mesma razão que levou à desqualificação do nigeriano "Lionheart" na semana passada. O prêmio não se chama mais "melhor filme em língua estrangeira", e sim "melhor filme internacional", mas a regra do idioma continua a mesma. Por um lado, acho justo: isto evita que filmes britânicos e australianos dominem a categoria. Por outro, tem coisa mais internacional do que uma nigeriana na Áustria?

8 comentários:

  1. Os austríacos são muito gatos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagino a cara dessa cabloquinha acreditando na beleza dos loros.

      Excluir
  2. Já foi desclassificado. Muito diálogo em Inglês...

    ResponderExcluir
  3. Mereceu a minha atenção tempos atrás, e achei um saco...

    ResponderExcluir
  4. Danny Glover, por dentro da mente de quem planejou o golpe maldito e destruiu a vida dos brasileiros

    ResponderExcluir
  5. TONY acabei de ver o que você escreveu sobre o Michael Jackson e considero o melhor texto sobre o assunto, eu finalmente vi leaving neverland e wao! Nada impressionante, nessa idade sempre rola um troca troca mesmo e concordo que o Jackson pela história de vida que teve (começou a trabalhar aos 5 anos abusos etc merece um desconto) não penetração e nem estupro violento e acho feio esses 2 caras quererem dinheiro depois do cara já ter morrido ter sua carreira destruída quando ainda estava nos 30 anos e pela cara e saúde dele sofria muito há muitos anos. Ele era um gênio musical se a imprensa não tivesse o tratado da maneira criminosa como tratou teria produzido ainda muita coisa e estaria nas turnês por aí, uma pena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MJ gênio desse pequeno se destacava na família, é uma pena que ele não tenha tratado seus problemas. As cirurgias plásticas eram certamente um ato de self harm no final da vida ele não tinha nem nariz nem aquela boquinha carnuda de negro gostoso, tirou a boca.

      Excluir