quinta-feira, 17 de outubro de 2019

PÁSSARO FERIDO


O livro "O Pintassilgo" foi um best-seller nos países de língua inglesa, e sua autora Donna Tart ganhou até o prêmio Pulitzer. Mas era considerado infilmável: tem mais de 800 páginas, e em muitas delas não acontece nada. Em outras, acontecem coisas demais. Talvez valesse uma minissérie? O diretor John Crowley (que teve seu "Brooklyn" indicado a vários Oscars) achou que dava um longa. Deu um looooonga: no cinema, "O Pintassilgo" ficou com duas horas e meia, e o ritmo varia do marasmo ao frenesi. A história do menino que perde a mãe em um atentado terrorista ao museu Metropolitan, em Nova York, mas consegue roubar de lá um quadro famoso, é contada em muitas locações com um elenco de peso, mas não chega a emocionar o espectador. Dessa vez, o Oscar irá fazer seu ninho em outro lugar.

5 comentários:

  1. Já estreou no Brasil amore?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está em cartaz em S. Paulo. Aliás, temo que por pouco tempo.

      Excluir
  2. Tá acompanhando a novela da Peppa Pig falando que o Carluxo, o Robespirralho e outros são gays e os chamando se frescos? kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. O livro é belíssimo. Quem chegar até o fim das 880 páginas terá lido uma obra prima como poucas. Mas infilmável em grande parte. Tudo como que " se passa na cabeça dos personagens". Um dos grandes livros desse começo de século, que demorou 10 anos para ser escrito

    ResponderExcluir
  4. Queria mesmo uma adaptação de "The secret history", infelizmente a Donna Tart recomprou os direitos pra que ninguém produza.

    ResponderExcluir