segunda-feira, 21 de outubro de 2019

O BEIJO DA MULHER-CINEASTA

Bárbara Paz foi ovacionada por um Municipal lotado até a torrinha. Nem era para menos: seu filme "Babenco - Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou" é mesmo uma beleza. Vencedor de um prêmio no Festival de Veneza e exibido em sessão de gala dentro da Mostra de São Paulo, o documentário sobre a vida e a morte do marido de Bárbara não só emocionou a plateia, como adicionou à atriz uma nova condição: agora ela também é uma cineasta completa. Sensível sem ser piegas, em glorioso preto-e-branco e com imagens tão impactantes como a cena de Marília Pera em "Pixote", "Babenco..." é uma declaração de amor ao cinema, à vida e a um homem ímpar. Pena que ainda não haja um trailer nem uma data de estreia, mas o filme ainda terá algumas exibições na Mostra. Corra, como os personagens de Hector Babenco costumavam correr.

3 comentários:

  1. Deve ser muito bom, mesmo! Até agora só ouvi boas críticas!
    Não é fácil homenagear um morto sem ser piegas.

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de gostar do Babenco, mas as limitações técnicas todas da época de Pixote etc sempre me afastaram. Edição brucutu, iluminação boqueta e áudio dublado em estúdio por falta de técnicas satisfatórias de captação real. Sem vontade, irmão.

    ResponderExcluir
  3. admiro barbara. saímos juntos alguma x qdo fui casado com um ator seu amigo, sempre provocante e inquieta. bom poder conhecer mais sobre babenco pelas mãos dela

    ResponderExcluir