segunda-feira, 7 de outubro de 2019

FEITIÇO DA VILLA

John Paul Getty não era flor que se cheirasse. O homem mais rico do mundo não só cometeu todos os pecados capitalistas, como ainda foi um péssimo chefe de família. Mas deixou um legado incontornável: o Museu Getty, o mais próximo que Los Angeles tem de um Louvre ou um Metropolitan. Eu já conhecia sua maior unidade, um prédio moderno recheado de arte europeia de diversas épocas. Ontem fui conhecer a outra: a Getty Villa, um palácio encarapitado em frente à praia de Malibu. Trata-se de uma reconstituição aproximada da Vila dos Papiros, uma mansão romana que até vem sendo escavada nos arredores de Pompeia. Suas salas mostram peças impressionantes de todas as fases da história da Grécia, começando com os cretenses, e de Roma, começando com os etruscos. Uma exposição temporária ainda traz o esplendor da Assíria, emprestado pelo British Museum. Tudo isso de graça: só é preciso marcar hora pela internet, porque a lotação é limitada. Agora que existe Uber, então, não há mais desculpas.

4 comentários:

  1. Os EUA nunca vai chegar no nível artístico da Europa não é mesmo? principalmente agora que estão em decadência. O Brasil tem mais potencial mais mataram Getúlio e fundaram a rede Globo.

    ResponderExcluir
  2. Família cafona ladrona de petróleo!!! Se acham os romanos risos! Vi um curso sobre o arch of Titus onde o cara da uma aula nessa vila, o povo do Spielberg nunca esqueceu o Vespasian. Tanta gente se acha esperta no mundo mas estão ok com os cara roubando recursos naturais cobrando o juros mais altos do mundo sem dar nada em troca (Oi Luiza Setúbal tudo bem?). O resultado é um mundo cada vez pior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo menos deixaram centros culturais. Pior são os bandidos brasileiros, que não deixam nada! E a elite BURRA do Brasil, que também não deixa quase nada!

      Excluir
  3. Massada will never fall again

    ResponderExcluir