segunda-feira, 28 de outubro de 2019

BOOM

Jorge Fernando era uma explosão. Explodiu no vídeo em 1978, com apenas 23 anos, como um dos quatro amigos que iam morar juntos na série "Ciranda, Cirandinha", uma das coisas mais ousadas já feitas pela Globo (os outros três eram Fábio Júnior, Lucélia Santos e Denise Bandeira). Depois canalizou sua imensa energia para a direção e praticamente inventou o estilo "novela das 19 horas", com fartas doses de humor. No teatro, seu monólogo "Boom!" ficou anos em cartaz. Eu não o conheci pessoalmente, mas quem teve essa sorte só fala bem dele. Ontem o que explodiu foi seu coração. Sua morte precoce é mais uma nesse ano estranho, em que o planeta parece estar em convulsão. Que seus olhos gigantes continuem a brilhar, iluminando as trevas que querem nos engolir.

8 comentários:

  1. Seus obituários sempre tem alguma coisa muito íntima e pessoal, esse você parece ter escrito de maneira mais distante, destacando mais o profissional e sua brilhante carreira, mas sem muito envolvimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque eu não o conheci pessoalmente, ao contrário de Fernanda Young e Patrício Bisso.

      Mas meu marido conheceu o Jorginho, e não temos outro assunto desde ontem à noite. Estou bem triste por causa dele.

      Excluir
    2. Sobre o lado pessoal dele,admiro o fato de nunca ter tentado fingir que era hétero,nunca assumiu ser gay,o que era próprio da geração dele,onde as causas LGBT não tinham a popularidade de hj,mas também nunca negou

      Excluir
  2. Boom! O céu agora deve estar uma explosão de alegria.

    ResponderExcluir
  3. Diria ser uma "perda irreparável", mas nas manifestações na internet de artistas vejo que teve também, além do indiscutível talento, a generosidade de deixar legado, ensinar, dar exemplo, e deixar saudades, mas também pessoas mais alegres e capacitadas pela sua convivência e ensinamentos. Acredito que assim que se permanece vivo. Meu mais profundo respeito.

    ResponderExcluir
  4. Um pouco mais de brilho e humor no céu. Ano estranho realmente pra classe artística caro Tony.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  5. Fui vê-lo no teatro. bem foda. ele era pura luz, e pelo q dizem um diretor talentosísismo.

    ResponderExcluir
  6. Coincidência, Fernanda Young e Jorge Fernando eram muito amigos, ele amava ela

    ResponderExcluir