segunda-feira, 23 de setembro de 2019

THANK YOU VERY MUCHA

Passei minha adolescência vendo posters desenhados por Alphonse Mucha, ou de estilo muito influenciado por ele. Só mais grandinho é que eu descobri que se tratava de um artista da Belle Époque, e não um hippie maconheiro que ouvia Pink Floyd. O tcheco Mucha (a pronúncia certa é algo como "múrra"), na verdade, foi o primeiro grande artista plástico que se destacou na publicidade, fazendo cartazes para peças de Sarah Bernhard e criando anúncios de cerveja ou papel de cigarro. Mas suas mulheres lânguidas, de cabelos esvoaçantes, se tornaram o sinônimo visual da art nouveau. Mais velho, já consagrado, Mucha pintou uma série de 20 telas monumentais,  a "Epopeia Eslava", imbuído de espírito patriótico pela recém-criada Tchecoslováquia. Vi muita coisa dele quando visitei o museu que leva seu nome em Praga, e revi algumas na exposição que acaba de abrir na sede da FIESP, aqui em São Paulo, a primeira dedicada a ele no Brasil. A iluminação deixa a desejar, fazendo com que seja impossível ler alguns dos cartões, e os quadros da "Epopeia" só são vistos em projeções. Acontece que é tudo tão lindo que o visitante quase levita, no meio de tantas divas e musas.

2 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    E o papai aqui achando que tudo era Toulouse Lautrec rs

    ResponderExcluir
  2. Faz um top 10 de títulos na retrospectiva do ano. É meio egocêntrico, mas e daí? Esse entraria

    ResponderExcluir