segunda-feira, 2 de setembro de 2019

SHIPPAR É NORMAL

Precisou que a Fernanda Young morresse para eu criar vergonha na cara e terminar de ver a primeira (e, provavelmente, única) temporada de "Shippados", disponível desde junho na Globoplay. A série é mesmo ótima. Tatá Werneck está incrível como a séria-quase-chata Rita. A sacada dos namorados que vivem pelados é genial (palmas para a desinibição de Clarice Falcão e Luís Lobianco). E onde estava Rafael Quiroga nesses anos todos, que só agora eu percebi sua existência? Só que "Shippados" não é, como eu cheguei a imaginar, uma versão 2.0 de "Os Normais". Aquele primeiro grande sucesso de Fernanda e seu marido, Alexandre Machado, falava do cotidiano dos eternamente noivos Rui e Vani, juntos há muito tempo. Já "Shippados" mostra um casal em vias de se apaixonar: as surpresas, as inseguranças, as pequenas decepções, o amor que acaba florescendo. Não é curioso? Fernanda e Alexandre assinaram juntos sua primeira sitcom quando já conviviam há oito anos, e claro que havia muito deles em Vani e Rui. Mas sua última série fala da descoberta do amor, depois de quatro filhos e mais de 25 anos de uma história em comum. Que fecho mais lindo para o ciclo.

4 comentários:

  1. Eu comecei mas desisti no 2o episódio. Os dois personagens parecem retardados, sei lá, me faltou um pouco de paciência. Quem sabe mais pra frente tento de novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também tive a mesma sensação 🙄, mas é claro que a massa ignara vai celebrar como obra prima agora que Fernanda morreu... A canonização é o mínimo que essa galera vai propor daqui pra frente.

      Excluir
    2. Tinta visto bem antes de ela morrer. Eu gostei muito. Não é obra-prima, assim como 90% das séries do mundo, mas é muito engraçada e tem ótimos momentos.

      Excluir
  2. Chorei amo vc amo ela
    O prazer é visceral; a felicidade, etérea.🌹❤️🙏✝️

    ResponderExcluir