domingo, 29 de setembro de 2019

LINDA DE VIVER


Fui ao cinema pronto para não gostar de Andrea Beltrão em "Hebe - A Estrela do Brasil". As duas não têm semelhança física, e muito se falou da intenção da atriz de não imitar sua biografada. O trailer parecia confirmar minhas suspeitas. Mas algo impressionante aconteceu durante o filme: Andrea foi ficando cada vez mais convincente como a maior apresentadora da TV brasileira de todos os tempos. No final, está quase uma sósia. Há uma cena em particular que parece uma sessão espírita: num jantar de Natal, Andrea/Hebe conta uma piada meio suja para os convidados, que incluem Paulo Maluf. Mas o longa em si não está à altura de suas protagonistas. Não questiono a escolha do período abordado: apenas três anos na vida de Hebe Camargo, no final da década de 1980, quando ela trocou a Bandeirantes pelo SBT. Foi uma época de ebulição política e cultural, e Hebe recuperou o status de grande estrela que tinha nos anos 60, na Record. Mas há um certo exagero em pintá-la como paladina da liberdade de expressão, e os atritos com a censura não foram tão graves como surgem na tela. O fato é que Hebe era um poço de contradições: a milionária que andava coberta de joias, mas nunca traía sua origem humilde; a crítica da corrupção, mas que caiu por um bom tempo nas mentiras de Maluf (ela se afastou dele antes de morrer); a defensora das bichas e travestis, que, no entanto, não lidava direito com a homossexualidade do próprio filho (aliás, corajosamente declarada no filme).  Ou seja, Hebe era um personagem e tanto. Mas como encaixar uma curva dramática convencional em uma vida tão rica e complicada? Talvez a minissérie que estreia em janeiro na Globo, gravada pela mesma equipe e com muito material adicional, traga alguma resposta. "Hebe - A Estrela do Brasil" pode ser só um aperitivo - coisa que a própria Hebe adorava.

9 comentários:

  1. Tony e o que vc achou da "saída do armário "do Giane? Ele admitiu que ja se relacionou com homens mas que nao é gay,prefere nao se rotular,o Matheus Natchergaele ja disse algo parecido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho tão interessante como esses famosos vem sempre com esse papo de “não me encaixo em rótulos” blá blá blá, mas ninguém pega mulher...

      Excluir
    2. Pelo que falou, melhor seria continuar no armário

      Excluir
  2. E hoje faz 7 anos da morte da Hebe.

    ResponderExcluir
  3. Muitos militantes LGBT se incomodam quando alguém famoso nao diz com todas as letras que é, falam que a sexualidade é muito fluída,que preferem nao se rotular.Preferem alguém como o Jesuíta Barbosa que recentemente disse bem claramente que é viado,expressão usada pelo próprio na reportagem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato. Jesuíta Reizinho do Vale. Giane vergonha alheia - uma vida inteira negando e afirmando ser hetero (com todas as letras), pra agora vir com uma pataquada dessas. Tem minha mais profunda antipatia.

      Excluir
  4. esperando sua resenha de coringa do phoenix =D

    ResponderExcluir
  5. Eu vi! Acho Andrea Beltrão uma puta atriz, mas não sei se foi uma boa escolha para essa personagem. Mas, enfim, ela é casada com o diretor do filme, né? Tudo em família, a cara do Brasil!

    ResponderExcluir