sábado, 14 de setembro de 2019

ALGO DE PODRE NO REINO


A Dinamarca ainda não escolheu seu representante no próximo Oscar, mas periga ser "Rainha de Copas". O filme vem ganhando prêmios em festivais e tem um ótimo argumento: uma mulher de meia idade tem um caso com seu enteado adolescente, filho do primeiro casamento do marido, só porque ela pode e quer. Para piorar, ela é uma advogada esepcializada em abuso de menores. Infelizmente, roteiro e direção não estão à mesma altura. A história se arrasta ao longo da primeira hora, e só começa a ficar mais animada depois que Tryne Dyrholm - uma das atrizes mais desinibidas do mundo - cai de boca no que deve ser uma prótese. A personagem é de uma podridão só, capaz de qualquer coisa para se proteger. Merecia um filme melhor.

3 comentários:

  1. Festa em família sempre será o melhor filme dela, aliás verei de novo. Um filme que por muitos motivos mora no meu coração.

    ResponderExcluir
  2. Gostei desse filme! Mostra as consequência de se ater a uma mentira até o fim...

    ResponderExcluir
  3. Vi esse filme na segunda, seguido de um debate orientado por uma psicóloga/psicanalista. Foi impressionante a quantidade de nuances e significados semiocultos que as pessoas conseguiram descobrir. A psicóloga trabalha com a questão do abuso (na prefeitura de SP) e considera que foi feita uma excelente pesquisa para escrever o roteiro: é assim mesmo que acontece na realidade. Basta pensarmos no quanto demorou para João de Deus ser denunciado.

    ResponderExcluir