quinta-feira, 19 de setembro de 2019

A MORTA QUE FALA

Comecei a frequentar o teatro adulto no final dos anos 70, mas só agora que eu posso dizer: vi em cena todos os grandes atores brasileiros. Porque ontem finalmente eu tiquei o nome da Irene Ravache. Fui à estreia do monólogo "Alma Despejada" aqui em São Paulo, e confirmei tudo o que eu já sabia. Irene é uma estrela e uma enorme atriz (as duas coisas não vêm juntas), com pleno domínio do palco e da plateia. Mas o texto da peça é irregular. A protagonista é uma mulher que está na sala da casa onde viveu muito tempo, com as caixas da mudança espalhadas ao redor. Bastam algumas palavras para a gente saber que não é ela que está se mudando: morreu faz alguns anos, mas ainda visita sempre a família. Algumas passagens são engraçadíssimas, outras são pura filosofia. No entanto, quando a história se torna muito específica da personagem - o cunhado foi assassinado, o marido foi preso numa operação contra a corrupção - o espetáculo se torna banal. Parece que a autora Andrea Bassitt teve um monte de ideias e resolveu aproveitar todas (ou alguém insistiu que aproveitasse, para que as cenas ficassem as mais variadas possíveis). Enfim: o que importa é que eu vi Irene.

11 comentários:

  1. Vivi TAMBÉM para ver isso:

    https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/09/19/marinha-dos-eua-confirma-autenticidade-de-videos-que-mostram-fenomenos-aereos-nao-identificados.ghtml

    E aí cambada de BURROS DESINFORMADOS ARROGANTES!?

    A loka sou eu né, "meus BENS"??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sra é louca de pedra sim senhora!!! A negação eh um forte indício!!!!

      Excluir
    2. Os comentários estão fantástico na página!

      Melhor foi esse:

      quem diria gado é atraído por ovnis mesmo...

      Igor Dão

      Excluir
  2. Eu sempre impliquei com Irene, não gostava da voz dela, do jeito de atuar...
    Mas ela vem envelhecendo tão bem, que eu passei a gostar, igual a Sônia Braga!

    ResponderExcluir
  3. Essa peça ta mais pra Casa de Irene....

    ResponderExcluir
  4. Vou ver. Vejo Irene desde De Braços Abertos, de Maria Adelaide Amaral...mas ñ estou te vendo na plateia do Acústico Thiago Iorc...

    ResponderExcluir
  5. Boa atriz. Nunca esteve entre as melhores, mas é antipática como se fosse a maior de todas. E nessa altura resolveu falar coisas reacionárias no jornal. Tola.

    ResponderExcluir
  6. Vi Irene, a primeira vez, fazendo uma imitadora de Marilyn Monroe em "Os filhos de Kennedy". Depois, em "De braços abertos", "Eu me lembro...", uma outra de Maria Adelaide, umas bobagens, outras maravilhas. É mesmo uma grande atriz.

    ResponderExcluir