quarta-feira, 10 de julho de 2019

NO-SHOW

A desistência de Nick Minaj em se apresentar na Arábia Saudita levanta uma questão interessante: um artista deve se apresentar em ditaduras? A minha resposta é... depende. Quando o convite é para cantar na festinha particular do ditador, como Jennifer Lopez já fez no Turcomenistão, é claro que não. Mas sou a favor de Milton Nascimento fazer show em Israel, ou Madonna na Rússia. OK, esses dois países não são exatamente ditaduras. Mas Israel oprime os palestinos e a Rússia persegue os gays. Vale a pena boicotá-los? Eu respeito quem acha que sim, mas acho mais producente ir lá e se apresentar para um público que, não raro, também é vítima do regime. Madonna e Lady Gaga até correram o risco de ser presas, por se manifestarem a favor dos LGBT em terras de Putin. Mas a Arábia Saudita é diferente. É uma tirania asquerosa, de forte pendor teocrático, que decapita domésticas que matam seus estupradores. O príncipe Mohammad Bin Salman vem tentando modernizar o país: foi ele permitiu quem que os cinemas voltassem a abrir, e que as mulheres tirassem carteira de motorista. Também foi ele quem ordenou a morte do jornalista Jamal Kashoggi, além de muitas outras barbaridades. É decente colaborar com o plano de poder de um déspota sanguinário? Fora que o festival em que Nicki Minaj se apresentaria é segregado, com homens e mulheres em lados separados. E por que os pudicos sauidtas convidaram a cantora do escandaloso "Anaconda"? Ha, eu acho que sei por quê.

14 comentários:

  1. Esse Tony sabe tudo! Danadinho!

    ResponderExcluir
  2. https://www.b9.com.br/111058/agencia-abre-mao-de-conta-da-nivea-por-comentario-homofobico-de-executivo-da-empresa/

    ResponderExcluir
  3. Tony, olha isso,a Nívea se recusou a fazer uma campanha com um casal gay, comente para nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que eu li, a declaração homofóbica do cliente foi meio que uma gota d'água. É raríssimo uma agência abrir mão de um cliente, ainda mais quando tem muita grana envolvida. Suspeito que tenha mais coisa nesse imbroglio aí, mas torço para que a versão da agência seja verdade. O cliente, aliás, não negou, e a matriza da Nivea na Alemanha pediu desculpas.

      Excluir
  4. Eu seria super a favor que ela cantasse la , se a musica que Nick Minaj service para abrir a cabeça da plateia que a vai assistir na Arábia Saudita.

    Por outro lado a musica da Nick Minaj é pura basura de consumo rápido. Então acho que é apropriado ela cantar para o principe Lixo, assim como os sertanojos brasileiros cantaram para o BolsoLixo , admirador de torturadores e ditaduras.

    ResponderExcluir
  5. O Mio Babbino Caro
    Deixa pra lá vai!

    ResponderExcluir
  6. Será que ela vai cobrir este rabo com burca quando for cantar lá???

    ResponderExcluir
  7. Lembra quando o Queen recebeu as mesmas críticas por se apresentar em Sun City?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembro. Foi nos últimos anos do apartheid. Eu mesmo, que sempre fui louco pelo Queen, não consegui apoiar a banda 100% nesse caso.

      Excluir
  8. então me diga aí porque chamaram a Minaj. rs. Meu processador mental hoje tá lento pra caramba.

    ResponderExcluir
  9. Dessa vez, tive que parar a leitura em Israel oprime os Palestinos. Uns 20 anos atrás tive um namorado palestino que veio a trabalho da frança, quando ainda acreditava na narrativa antissemita e questionava ele sobre isso, ele me respondia enigmaticamente que a população palestina tinha mais qualidade de vida que 90% da população brasileira tirando gays e mulheres. Só fui entender o que ele queria dizer quando anos depois fui fazer um trabalho com refugiados palestinos em Israel. Garanto que uma das poucas coisas que impede que aquela região exploda em fundamentalismo é Israel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Liberdade é a coisa mais importante. E os palestinos a merecem , incluso se querem essa liberdade para explodirem a si mesmos em fundamentalismo.

      Excluir
  10. Só fui entender o que ele queria dizer quando anos depois fui fazer um trabalho com refugiados palestinos em Israel. Garanto que uma das poucas coisas que impede que aquela região exploda em fundamentalismo é Israel. +1

    ResponderExcluir