quinta-feira, 11 de julho de 2019

AVE DE RAPINOE

Estou preparando uma galeria com os grandes heróis da resistência deste ano, e a mais nova integrante é Megan Rapinoe. A capitã da seleção americana de futebol feminino não é só uma baita jogadora: também é uma líder política, sem medo de peitar Donald Trump. Sua recusa em visitá-lo na Casa Branca e suas declaracões pró-inclusão mostram que ela é mesmo uma águia, dessas que voam alto e enxergam longe. Enquanto isso, aqui no Brasil, os craques do escrete canarinho gritam "mito!" e fazem fila para cumprimentar o Bozo. Até o Marquinhos, que passou reto pelo Despreparado, jurou que já haviam se confraternizado antes. Só o Tite agiu com um mínimo de decência, porque nunca se mistura com políticos.

3 comentários:

  1. Você já viu vídeos dela?
    bem, eu já vi, ela trata mal todos que pedem autógrafos ou foto, uma verdadeira pau no cu

    Como ela quer pleitear salários iguais sendo que nem as próprias mulheres assistem futebol feminino?
    Ja olhou os índices de audiência no Brasil ou no mundo dessa Copa?

    Audiência televisiva baixa, audiência nos próprios jogos baixa, baixa arrecadação diante do mercado publicitário pela baixa audiência, além da péssima qualidade do futebol onde a seleção americana feminina perdeu num jogo de futebol de um time masculino de adolescente de uma escola
    Ja ouviu falar de Aposematismo? é aquela coisa da natureza onde os animais mais coloridos são os mais tóxicos e nocivos
    Essa moça babaca se encaixa nisso mesmo que esse cabelinho seja artificial

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é que não olhou os índices d audiência antes de vir fazer seu comentário boçal.

      O futebol feminino dá MAIS audiência nos EUA do que o masculino. Então, por que os homens de lá ganham mais que as mulheres?

      Você está é com dodói no cotovelo porque a Rapinoe mandou o Trump passear. Vai junto, bebê.

      Excluir
  2. Terminou falando do cabelinho dela, hahaha. Tá com inveja da moça, babaca.

    ResponderExcluir