domingo, 9 de junho de 2019

TRANSBORDANDO DE ORGULHO


Fui ver meu segundo musical dessa temporada. Era uma matinê, e metade do teatro estava tomada por um público que não é tão frequente na Broadway: negros. Um pessoal que tem vindo em massa prestigiar o espetáculo sobre os Temptations, o grupo masculino de rhythm'n'blues de maior sucesso de todos os tempos. "Ain't Too Proud" tem uma montagem enganadoramente simples, sem cenários físico, mas com um uso inteligente de telões, esteiras e palcos giratórios - toda a glória da tecnologia. A trilha reúne todos os hits do grupo e mais uns tantos da gravadora deles, a lendária Motown. Mas o que me chamou a atenção mesmo foi a energia masculina em cena. O elenco tem só quatro mulheres ao lado de 15 homens e no final eles surgem todos de terno e gravata, dançando com testoterona. As coreografias são complicadíssimas e o clima reinante no teatro lembrava o de uma igreja no Harlem: muito aplauso em cena aberta, muito grito, e no final a plateia toda de pé, algo bem raro fora do Brasil. "Ain't Too Proud" na verdade contradiz o próprio título, porque é um musical que celebra a cultura negra com todo orgulho possível. Justíssimo, aliás.

2 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Voltar ao Brasil deve soar como um castigo após passar esses dias em Manhattan.K*

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Tony, nenhum post sobre o #MoroGate ?

    ResponderExcluir