domingo, 30 de junho de 2019

BRINQUEDO RECICLADO


Tirando os executivos da Disney, precisávamos mesmo de "Toy Story 4"? Os atuais diretores da empresa estão decididos a ordenhar ao máximo todas as franquias da casa, haja vista a fúria com que produzem remakes com atores de desenhos clássicos ou episódios anuais de "Star Wars". Tudo para garantir os bônus de fim de ano e as aposentadorias a médio prazo. Dito isto, essa quarta aventura de Woody e sua gangue não é ruim: só não está no nível de excelência das três primeiras. O roteiro até assume que é supérfluo. Afinal, o que falta contar na história de Woody, depois que ele foi passado por seu dono original para uma menina em idade pré-escolar? E assim "Toy Story" está em vias de se tornar uma série de TV, com alguns capítulos melhores do que outro e nenhum mais atingindo a catarse original. O que torna o filme agradável é a técnica exuberante da Pixar e os talentos vocais do elenco (eu vi a versão original, com legendas). Também é divertida a criação de Garfinho: basta uns acessórios mal-ajambrados em um talher descartável para ele se tornar alguém, mesmo a contragosto. Tudo o que Garfinho quer, no princípio, e é se atirar no lixo e deixar de existir. Esse dilema existencial logo é substiuído por muita correria e humor engajado. Lindo, mas esquecível. Até porque daqui a pouco chega "O Rei Leão".

2 comentários:

  1. Você chegou a assistir , ou vai, ao filme da Turma da Mônica?
    Parece que foi feito algo decente. As animações sempre foram toscas e nunca respeitaram a qualidade dos gibis.Parece que há um esforço de modernização das linhagens, com novos formatos e plataformas. Sempre achei muito bacana, deveria tem um alcance mundial mas de alguma maneira ficou mais por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu queria ir com alguma criança, mas meus netos estão em Goiás...

      Excluir