sábado, 18 de maio de 2019

PROBLEMAS DE RAPAZ BRANCO


Quando eu tinha 22 anos, passei dois meses e meio zanzando pela Europa, gastando meu Eurailpass e ficando em casas de amigos. Quando tinha 28, levei um pé na bunda de um namorado e fui chorar as pitangas em Nova York, na casa de um outro amigo. Por tudo isto, super me identifiquei com "45 Dias Sem Você". O longa de estreia de Rafael Gomes, que vem de uma ilustre carreira como diretor de teatro, parece ter sido inspirado pela minha vida fascinante. O protagonista Rafael (Rafael De Bona - há um padrão aí) tomou um fora do boy e, devastado por uma dor de cotovelo avassaladora, vai espairecer em Londres, Coimbra e Buenos Aires. Ele se hospeda nas casas reais de amigos reais do cineasta, todos usando seus próprios nomes. Não para de falar um segundo do ex, apesar de catar um bofe aqui e ali. Ponto. Só isto. Mais nada. "White boy problems", como se diz por aí - nem o dinheiro é uma questão, dada a facilidade com que Rafael cruza continentes e oceanos. O ator principal me pareceu um pouco cru, mas até aí zuzo bem - o personagem também é. Mas o filme em si é agradável com paisagens bonitas, situações críveis (eu vivi várias) e sequências inteiras gravadas com iPhone. Se fosse americano, todo mundo ia achar fofo. Como é brasileiro, sentimos falta de comentário social, críticas ao governo, #LulaLivre, essas coisas. Então vamos relaxar e despachar a bagagem. "45 Dias Sem Você" foi lançado em pouquíssimos cinemas e horários ingratos, mas pode ser alugado nas boas plataformas do ramo. Vale a pena embarcar.

19 comentários:

  1. O brasil tem que investir em nudez,principalmente masculina para ficar com cara de filme europeu e atrair mais publico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o problema fosse a nudez a gente daria um jeito... o problema sao os atores brasileiros que são péssimos!!!

      Excluir
    2. J-sus a senhora é destruidora mesmo!

      Excluir
    3. Falei alguma mentira?

      Excluir
    4. Infelizmente nao...

      Excluir
  2. Quero ver BACURAU do diretor pernambucano Mendonça. Espero que não censuram.

    Sacanagem o governo do Bozo pedir para ele devolver mais de dois milhões do filme a" som ao redor".

    ResponderExcluir
  3. Tonia e la em NY vc nao se apaixonou por algum nova iorquines?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não... fiquei com o ex na cabeça o tempo todo. Burro eu, no auge da formosura e cercado por novaiorquines lindos por todos os lados.

      Excluir
    2. Putz, passei exatamente por essa mesma experiência na minha primeira ida a NY, nem consegui curtir a cidade, quanto mais os boys locais...O amor é uma coisa doida, é algo irreal que só existe na nossa cabeça, mas faz um estrago danado...

      Excluir
    3. O amor da minha vida (ou que eu acreditava ser...) nasceu exatos ONZE dias depois disso aqui:

      https://archive.org/details/ProjectBlueBookSpecialReport14

      E eu nasci exatamente num dia CINCO (Special Report 14).

      Não acho que foi "algo irreal".

      Deve TAMBÉM ter sido "escrito nas estrelas".

      (Agora TUDO na minha vida está COMEÇANDO a fazer sentido...)

      Excluir
    4. Você está mais bonito agora. Fofinho e grisalho. Antes era um jovem bonitinho e magro, sem muito o que apertar.

      Excluir
  4. Ahhh!!! Os novaiorquines!!! São lindos!!! Da primeira vez que fui cacei um bofe divino que me levou pro loft dele e sei lá... quando acordei estava inteirinha enrolada em papel alumínio, não me perguntem a tara ...

    ResponderExcluir
  5. Achei muito superficial.
    Ficou evidente a inexperiência dos artistas.

    ResponderExcluir
  6. O Mio Babbino Caro
    Que horas ela volta?
    ...
    Todos são felizes em suas passagem por Nova York, saí muito bem acompanhado da histórica The Stonewall inn.

    ResponderExcluir
  7. Amo Mayara Constantino

    ResponderExcluir
  8. Caramba, a atuação dos atores no trailer é péssima. Acho constrangedor que pessoas sem talento insistam em ser atores, diretores etc... isso está cada vez mais comum.. não só no Brasil.

    ResponderExcluir