sábado, 25 de maio de 2019

A NOITE É ESCURA E CHEIA DE TERRORES

Ontem eu viajei o dia inteiro, voltando do México via Panamá. Foram voos de três e seis horas respectivamente, com uma hora em terra no meio. Aterrissei em São Paulo por volta da meia e noite e meia, e cheguei em casa exausto uma hora depois. Ventava muito: portas batiam, um abajur caiu três vezes. Parecia um presságio do que estava por vir. Meu cachorro Nacho, que fica sempre esfuziante quando me vê - ainda mais depois de uma ausência de quatro dias - estava apático, apesar de me reconhecer e abanar o rabinho. Enquanto eu desfazia a mala, meu marido e eu percebemos que ele arfava e tentava lamber o ar. Ficamos assustados, e ele levou o cachorro para o veterinário, às duas da madrugada. Nacho não voltou mais. Morreu por volta das cinco e meia da manhã, por veneno de rato - infelizmente, uma causa de morte comum entre cães de cidade grande. E eu explodi em prantos. Gritei com um travesseiro na boca, aparvalhado com essa dor repentina. Coincidência cósmica: um dos filmes que eu vi no avião falava de uma mulher que fingia matar o ex-marido com veneno de rato. Ainda não entendi direito o que aconteceu, e continuo ouvindo e vendo o Nacho pela casa. Foram quase cinco anos de um amor absoluto. Ele chegou com apenas 40 dias de idade, deu um trabalho do cão, roeu óculos e carregadores, e queria estar comigo em todos os lugares. Como todo cachorro que amou e foi amado, José Ignacio Mantiqueira Barreto Goes foi o melhor cachorro do mundo.

19 comentários:

  1. Puxa meus pêsames, que coisa mais triste! Infelizmente acontece com frequência aqui em SP. Tenho uma amiga que perdeu o dela do mesmo jeito. Força aí! :(

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus não acredito,mas entendo bem a tua dor.Beijos e fica bem

    ResponderExcluir
  3. Que dor Tony. Meus sentimentos. Tenho 4 dogs e a cada passeio fico com medo que possam comer algo da rua. Tem gente que deixa isto pelas ruas. Alguns fazem fazem isto por ódio só porque pisaram num cocô. A maldade humana não tem limites.

    ResponderExcluir
  4. Sinto muito! Que vc e seu marido encontrem conforto nas lembranças.

    ResponderExcluir
  5. Acabei de ler e choro. Sinto muitíssimo. Meus sentimentos.

    ResponderExcluir
  6. Sinta-se abraçado Tony. Sinto muito... :(

    ResponderExcluir
  7. Que triste...Mas veneno de rato? Onde ele pode ter consumido isso? Ele passeia na rua?

    ResponderExcluir
  8. Muito triste. Sei como é difícil perder um cachorro - ainda mais dessa maneira. Meus sinceros pêsames.

    ResponderExcluir
  9. Sinto muito... vai daqui um abraço

    ResponderExcluir
  10. Que as boas lembranças consigam te confortar. Meus sentimentos, Tony!

    ResponderExcluir
  11. Sinto muito, Tony! Conheço esse amor e essa dor. :( Um forte abraço para você e seu marido.

    ResponderExcluir
  12. O Mio Babbino Caro
    Sinto medo em voltar a ter um cachorro e não suportar a dor de perde-lo. As lembranças de meus cães Bob e Veludo doem até hoje.

    ResponderExcluir
  13. Triste. Eles viram parte da nossa família, mas vivem tão pouco...Fique bem.

    ResponderExcluir
  14. A dor que sentimos é proporcional ao amor que nos une infinitamente a esses anjos peludos
    Beijo pra você e pro Herbert.
    Marco e João de BH

    ResponderExcluir
  15. Sinto muito, Tony. Uma tristeza dolorida quando um pet morre, principalmente repentinamente.
    Geralmente, quando pets domésticos morrem envenenados, é pq comeram algum rato que tinha comido veneno. Quase perdi uma dog desa forma. Por isso não é indicado colocar veneno de rato - além de ser totalmente cruel com o bichinho.

    Sinta-se abraçado.

    ResponderExcluir