sexta-feira, 5 de abril de 2019

O CAVALO DE TROYE

Uma das vantagens do home office é deixar a televisão ligada enquanto a gente trabalha. Costumo sintonizar na Globo News, mas hoje mudei para o canal Bis por causa do Lollapalooza: queria dar uma espiada no Troye Sivan. E me surpreendi não com o show em si, que não tem nenhum efeito cênico além do próprio cantor, mas com o público, que sabia todas as músicas de cor. Claro que metade era biba, mas a outra era de mulheres louquinhas por esse garoto. E fiquei me perguntando: será que se eu tivesse ido um ídolo abertamente gay (Freddie Mercury não era) na adolescência, eu teria saído do armário mais cedo? 

10 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Acredito que sim pois é criado um "movimento" imaginemos quantos outros garotos não viviam a mesma situação até surgir um sinal verde do 'é possível'.
    Talvez seria até mais difícil um talento como Freddie Mercury atingir o estrelato como foi se metesse o pé no armário. Lembremos que até Elton John se submeteu a um casamento hetero todo torto na Austrália...A história não tem muita volta e esta sendo feita.
    Mais gente viu senhores pigarreando e engolindo a seco nos cinemas as cenas mais callientes de Rapsodia Bohemia. E eu a morrer de rir a me dizer, viram: É só amor!

    ResponderExcluir
  2. Tony e o caso do deputado do.PSL Douglas Garcia que ameaçou tirar a tapa um um trans de um banheiro feminino e se assumiu gay hoje ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tiraram a tapa ele do armário.

      Esse idiota tava escondendo
      Sua homossexualidade atras da transfobia. O safado foi ameaçado e resolveu se adiantar

      Excluir
  3. Não sei se sairia mais rápido, não. Difícil dizer. Os tempos são outros, mas quando eu era criança lá nos anos 70 eu AMAVA o Ney Mato Grosso (ainda naquela fase Secos & Molhados, ou logo depois disso). Lembro dele rebolando como uma serpente emplumada na TV em preto e branco. Mas logo nas minhas primeiras coreografias (aos 5 anos), fui fortemente reprimido, e aprendi rapidinho que Ney Mato Grosso era "no no". E assim foram mais 20 anos para eu sair do armário, em toda minha glória e esplendor.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns ao novo modelo de informação que nos faz pensar forma opiniões sobre a nosso Brasil.

    ResponderExcluir
  5. As musiquinhas dele sao tao chatinhas...uma pena!

    ResponderExcluir
  6. Freddie Mercury não era, mas vc sentia o cheiro do couro!

    ResponderExcluir
  7. Adoooro years & years. e olha q passei dos 40. respondendo a sua provocação e usando vc genericamente, acho que facilita mto prum guri ver e saber (e saber que as outras pessoas sabem) que personalidades gays estão em lugares de destaque, seja na música, na cultura, na política, na TV. aquela sensação de coletividade que nossa geração veio sentir já bem adulta.

    ResponderExcluir
  8. Lollapalooza, misturando grandes nomes do rock e alternativos meio desconhecidos, está indo para oitava edição (já entrou para o calendário de Sampa como a Parada Gay, a Formula 1 e a São Silvestre). Porém é notável que festival de música eletrônica não pega por aqui. E este foi um Lolla nacionalmente inclusivo, incluiu 32 nomes nacionais em seu lineup, Único problema é o preço que continua estratosférico.

    ResponderExcluir