quarta-feira, 10 de abril de 2019

A VERDADE VEM À TONA


Ontem a Folha promoveu em São Paulo uma sessão especial de "Boy Erased - Uma Verdade Anulada". Como se sabe, o filme tinha sua estreia no Brasil prevista para janeiro. Chegou a ter trailer legendado e poster nos cinemas, mas a Universal cancelou o lançamento na última hora. A distribuidora alegou razões econômicas, mas pegou mal pacas: ficou com cara de, no mínimo, autocensura. Seria uma submissão ao "menino veste azul, menina veste rosa", um slogan oficioso do novo governo? O próprio Bozo disse no Twitter que não tinha nada a ver com isto. De qualquer forma, a Universal merece o prêmio Anti-Top de Marketing. Não aproveitou a comoção em torno do cancelamento para fazer um lançamento ainda que pequeno, e prejudicou seriamente a própria imagem. Na semana que vem, "Boy Erased" sai em DVD por aqui. Eu mais que recomendo: o longa é ainda melhor do que eu esperava. Adaptado de um livro autobiográfico, o roteiro trata de um adolescente criado em uma família evangélica. Quando ele admite que sente atração por outros rapazes, o pai pastor não tem dúvidas: despacha o moleque para uma clínica de "cura gay", onde ele sofre o diabo. Mesmo tendo como companheiros de pena ninguém menos que Troye Sivan e Xavier Dolan - apenas o cantor gay e o cineasta gay mais relevantes da atualidade. Lucas Hedges está fantástico, mais uma vez, comprovando que é mesmo um ator com uma longa carreira pela frente. Nicole Kidman e Russell Crowe, em papéis coadjuvantes, também brilham, mas a grande supresa é mesmo o Flea do Red Hot Chilli Peppers. Sem falar no diretor Joel Edgerton, que também interpreta o diretor da clínica - há uma surpresinha sobre o personagem nos letreiros finais. "Boy Erased" só traz verdades.

E por falar em verdade, eu me envolvi sem querer num mal-entendido. Houve um sorteio de brindes antes da sessão. Cinco espectadores ganhariam o livro  original e o DVD do filme. Eu estava sentado justamente em uma das cadeiras contempladas, mas recusei o prêmio. Como sou colaborador da Folha, achei que não seria ético eu levar os brindes. Dei tudo para o sujeito sentado ao meu lado, que falava ALTO e parecia muito empolgado com o sorteio. Mais tarde, no debate que seguiu a sessão, esse cara fez um monte de perguntas impertinentes, interrompendo os demais. Um chato de galochas. Hoje fiquei sabendo que muita gente pensou que ele fosse o meu marido, e que eu simplesmente teria dado o prêmio para ele. Ou seja: eu quis dar uma de bacana, desperdicei meu brinde com um babaca e ainda fiquei mal na foto. A minha verdade foi anulada!

7 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Tudo isso e toda vez que a gente quer ser legal só se Fode.

    ResponderExcluir
  2. Tony,

    Chata essa situação...
    Espero que o post no blog esclareça esse mal entendido...

    Sobre a data de lançamento em DVD, já foi divulgada.

    Ana,

    ResponderExcluir
  3. Ai, Tonya... DVD é coisa de bicha do século passado, acho que esse filme já tá em todos esses canais tipo Netflix... Eu mesmo vi lindamente na internet durante o Golden shower do carnaval... Achei o elenco coadjuvante um luxo e a bee do Red Hot é uma boa surpresa, mas é um filme tb meio sessão da tarde, esperava mais depois de tanta polêmica. Mas concordo contigo sobre o vacilo da distribuidora, que deve ser administrada por um povo do tempo do dvd, hahaha. #brinks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, ainda não tem em plataforma legal de streaming. Você assistiu pirataria na web, apenas.

      Excluir
  4. Não era o Orgasmo de Carvalho, não?

    ResponderExcluir