domingo, 14 de abril de 2019

A PONTE DOS SUSPIROS


Nunca vi o "Suspiria" do Dario Argento, um clássico do terror dos anos 70 que dizem ser um delírio psicodélico. Mas li que Luca Guadagnino acrescentou muita coisa em seu remake que não constava do original. Referências ao nazismo, ao Baader-Meinhof e até um personagem novo - um psicanalista idoso que só um tapado não percebe que é feito pela Tilda Swinton. Nenhuma dessas novidades melhor a história em si, que já não era grande coisa: mocinha americana entra para uma companhia de balé em Berlim e descobre que são todas bruxas. Ponto. Guadgnino tenta racionalizar o que era uma experiência estritamente sensorial, e só traz complicações desnecessárias. Logo ele, que fez filmes quase táteis de tão sensuais como "Eu Sou o Amor" e "Me Chame pelo Seu Nome". Portanto, deixe o cérebro de lado e se entregue a essa doideira. Tilda está fabulosa como um arremedo de Pina Bausch, coadjuvada por um elenco cheio de grandes atrizes europeias de uma certa idade. E Dakota Johnson mostra que tem muito mais do que 50 tons em seu repertório. "Suspiria" marca um desvio de rota na obra guadagniana. Vamos ver se ele continua por essa ponte ou se logo retorna às tramas intensas em mansões elegantes.

3 comentários:

  1. Não assisti eu baixei e ainda não assisti.

    (Sei que estreou no cinema agora mas o horário da sessão era ruim e não fui).

    O que achou da trilha sonora feita pelo Thom Yorke?

    ResponderExcluir
  2. este filme eh uma apoteose

    ResponderExcluir