domingo, 24 de março de 2019

O WOODY ALLEN BRASILEIRO

Hoje toda a imprensa brasileira está repetindo frases feitas como o título desse post, por uma razão singela: era verdade. Domingos de Oliveira foi o que tivemos de mais próximo de Woody Allen, com seus filmes semi-autobiográficos sempre ambientados na classe média alta carioca. Outra semelhança com a obra de Woody é que poucos deles se tornaram sucessos de bilheteria. O que é uma pena, porque títulos tardios como "Amores" e "Separações" são obras-primas. Sem falar, é claro, de "Todas as Mulheres do Mundo", que revelou ao mundo Leila Diniz, com quem Domingos foi casado. Não perca, se algum passar na TV em homenagem ao falecido. Aqui em casa, o clima é de pesar: Domingos de Oliveira foi fundamental para a carreira do meu marido, tanto de ator como de diretor. Mas eu mesmo nunca o conheci pessoalmente: só o vi no palco ou em eventos, sem nunca termos sido apresentados. Pelo menos seus filmes ficaram, e merecem ser redescobertos.

8 comentários:

  1. Amo Todas as Mulheres do Mundo, poderia ter um remake só para mostrar quão atual é a história daquele belo casal, poderia até ter uma versão gay, Todos os Gays do Mundo, pensei nisso agora, seria lindo!
    Por mais filmes fora dos rincões da pobreza, afinal é tudo Brasil, é tudo gente!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teve um remake na Globo em 1990, com Pedro Cardoso e Fernanda Torres nos papéis que foram de Paulo José e Leila Diniz.

      Excluir
  2. Sempre achei supervalorizado. Não é porque morreu que vou aplaudir. Versava sobre o próprio umbigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo grande autor versa sobre o próprio umbigo. Alguns conseguem fingir que não.

      Excluir
  3. Teu marido é famoso?

    Fiquei curioso!

    ResponderExcluir
  4. O Mio Babbino Caro
    Só pelo fato de ter revelafo Leila Diniz já pode ir pro céu!

    ResponderExcluir
  5. Gosto de Carreiras, com a viúva dele

    ResponderExcluir