domingo, 31 de março de 2019

ELEFANTES NÃO ESQUECEM


Mas eu esqueço. Não lembro do plot do "Dumbo" original, que eu vi em 1635. Só que prendiam a mãe dele, e depois as trombas dos dois se enroscavam. Também lembro da sequência psicodélica, mas só porque Steven Spielberg a inclui em "1941". Sabe por que não lembro do resto? Porque a história é fraca. É uma variante circense do Patinho Feio, mais nada. Por isto, Tim Burton fez muito bem em jogar quase tudo fora em sua versão live-action do desenho animado. O roteiro acerta ao situar a ação em 1919: além de fazer exatos cem anos, o pós-1a. Guerra Mundial permite alguns detalhes mórbidos que intensificam o drama. Claro que o novo desfecho, muito diferente do da animação, é totalmente incongruente com a mentalidade de um século atrás, mas foi feito para ser visto hoje. Burton não se furta a alguns toques de horror, como é comum em sua obra, mas "Dumbo" é, de longe, seu filme mais infantil. Também é de enher os olhos. E só agora eu entendi porque o elefantinho tem esse nome. Que dumb que eu sou.

2 comentários:

  1. Nao entendi patavinas desse texto!

    ResponderExcluir
  2. Tony, você assistiu o remake de Suspiria, feito em 2018 pelo Luca Guadagnino?!
    Não consegui encontrar nenhuma review no seu blog sobre o filme.

    Abs

    ResponderExcluir