segunda-feira, 4 de março de 2019

DROGA LEVE


A única coisa que ergue "Querido Menino" acima da mediocridade é Timothée Chalamet, e olha que eu não digo isto só porque estou apaixonado pela criatura mais linda que Deus pôs na Terra. Mas são a beleza e o talento de Timmy que fazem com que este filme, um bem-intencionado relato da luta de um pai para salvar o filho das drogas, não seja imediatamente esquecido. Não que "Querido Menino" seja ruim. Os atores estão bem e o roteiro não tem furos, embora jamais explique por que o protagonista se afundou na crystal meth. Pena que o diretor belga Felix Van Groeningen, que me fez chorar feito um bebê de colo em "Alabama Monroe", desta vez não tenha me suscitado nenhuma emoção mais forte do que checar as horas. Ainda acho que Timothée merecia ter sido indicado ao Oscar de melhor ator coadjuvante, no lugar de Sam Elliott ou Sam Rockwell. Só espero que este trabalho marromeno não sirva de porta de entrada para ele rodar filmes realmente ruins, desses que fazem mal à saúde.

Um comentário:

  1. apaixonado pela criatura mais linda que Deus pôs na Terra - so posso assinar embaixo =D

    ResponderExcluir