terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

SE A RUA BEALE ANDASSE


Agora é oficial: Barry Jenkins é um diretor superestimado. Eu já não tinha achado "Moonlight" grande coisa, e "Se a Rua Beale Falasse" é simplesmente ruim. Não li o romance de James Baldwin, portanto não sei o quanto o filme é fiel à história original: só sei que a trama não anda. A história do rapaz negro preso por causa de um estupro que ele não cometeu cai em ponto morto logo depois de uma explosiva cena de briga de famílias, e dali não sai nunca mais. Nem Regina King, cotada para o Oscar de atriz coadjuvante, eu achei que estivesse particularmente bem. É pena, porque filmes que denunciam o racismo são cada vez mais necessários. Filmes chatos, não.

Nenhum comentário:

Postar um comentário