segunda-feira, 22 de outubro de 2018

ESCOLA DE PAPEL


Gostei de "Elite", mas também achei ruim pacas. Deu para entender? A nova série espanhola da Netflix, com três atores da badalada "Casa de Papel", é divertida de se ver. Não tem momentos aborrecidos e é muito bem dirigida. Também é uma das coisas mais mal-escritas de que se tem notícia, com personagens inconsistentes, diálogos pífios e motivações mais fracas que a campanha do PT. A história é bem apelativa: três alunos de escola pública ganham bolsas de estudos para o colégio mais fechado da Espanha, frequentado por filhinhos de papai e blogueirinhas de merda. Todos têm por volta dos 16 anos, mas alguns se comportam feito adultos: onde já se viu um casalzinho dessa idade em que o namorado gosta de ver a namorada dando para outros caras? A trama segue o esquema "quem morreu? / quem matou?" que já começou a cansar, e a revelação do assassino no último episódio me deu vontade de cancelar a Netflix. Mas, para variar, estou em minoria: "Elite" está fazendo sucesso e já tem uma segunda temporada garantida.

6 comentários:

  1. Achei Casa de Papel um saco, e realmente Elite parece a mesmíssima coisa. Só consegui assistir o primeiro capítulo.

    ResponderExcluir
  2. As motivações do PT são fracas ? Fortes mesmo são as motivações do PSL... um sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As motivações dos PERSONAGENS são mais fracas que a campanha do PT.

      A falta que faz saber interpretar um texto...

      Excluir
  3. A serie tem uns furos,mas queria ver alguma coisa de entretenimento que os roteiristas brasileiros escrevesem nesse nivel.NAO TEM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O grande problema da teledramaturgia brasileira são as novelas, que seguem mais ou menos uma fórmula. Isto trava a criatividade e faz com que muitas ideias boas não floresçam. Mas perceba que, quando a Globo faz minisséries, o nível costuma ser bem alto.

      Excluir
    2. Acabei de ver o final e concordo em partes com vc....que final bobinho!

      Excluir