sábado, 21 de julho de 2018

EU SEI O QUE VOCÊ TUITOU NO PASSADO

Uma das táticas prediletas da extrema-direita online é "provar" que seus detratores são capazes dos mesmos preconceitos de que eles são acusados. Uma vítima recente é o cineasta James Gunn, diretor dos ultra bem-sucedidos filmes da franquia "Guardiães da Galáxia". O cara é um crítico contumaz do Trump nas redes sociais, o que fez com que apoiadores do presidente americano desenterrassem tuítes de Gunn de dez anos atrás. São piadas realmente pesadas, de uma época em que ele trabalhava no cinema independente e agia feito um "provocateur", falando merda na internet para despertar reações. Gunn pediu desculpas e disse que não é mais aquela pessoa, mas a Disney não quis saber e cortou seus vínculos com o diretor. Mas ninguém precisa ficar com pena: com dois megahits no currículo, ele não vai ficar muito tempo sem trabalho.



Outro que entrou na mira dos bolsominions foi Leandro Demori, editor do site The Intercept. Demori expôs em seu perfil no Twitter a ação orquestrada da alt-right brasileira em "denunciar" a normatização da pedofilia pela comunidade LGBT. Fake news em estado puro. Os trolls então  desenterraram tuítes que, lidos fora de contexto, podem ser considerados racistas pelos mais ingênuos e/ou mal-intencionados. E ainda o ameaçaram de morte - já que não se pode ganhar dele com argumentos, então, né? Porrada!

Tive a honra de me juntar a tão ilustre companhia, embora em grau muitíssimo menor. Minha coluna de quinta-feira no F5, comentando a piada equivocada do Jacaré Banguela sobre Jaden Smith, provocou a reação óbvia dos apoiadores do humorista: mimimi, não se pode mais rir de nada, o esperado. Mas dessa vez também aconteceu algo inédito: um fã mais ardente do cara se deu ao trabalho de procurar tuítes meus supostamente comprometedores. E achou esses dois aqui:
Esse foi fácil de identificar o contexto. Basta conferir a data e a hora: eu estava comentando em tempo real a novela "Gabriela", que estreou naquele dia. E me espantei com a ausência de atores negros em uma trama ambientada em Ilhéus, uma das cidades mais negras da Bahia. Duvida? Veja aqui a minha coluna no F5 no dia seguinte, com a mesmíssima observação. "Ãin, mas então você acha que ator negro só pode fazer papel de empregado?" Não, bebé. Mas a minha sensibilidade também mudou ao longo desses seis anos: se fosse hoje, eu escreveria algo como "não tem negro nem nos papéis mais secundários".

Este aqui me custou mais esforço para lembrar a origem. Novamente, a data e a hora ajudaram: trata-se de uma prova do "BBB 11", que eu assistia todo dia naquela época. Junto com Nina Lemos e Renato Kramer, eu soltava uma coluna diária sobre o programa, veja só que desperdício de talento (mas a audiência de nós três era absurda). Antes, comentava em tempo real, para ir juntando frases de impacto e depois usar no texto. "Preto", no caso, se refere à cor da equipe que disputava a tal prova do garçom. Eu não uso "preto" para me referir a alguém negro já faz algumas décadas, e lógico que eu chamava todos os participantes daquele "BBB" pelo nome. Via-os tanto que eram praticamente da família.

Dito tudo isto, é claro que eu já fiz piada racista, homofóbica, machista, contra deficientes de todos os tipos. Mas não faço mais: entendi que o humor contra o oprimido é cruel e despropositado. Uma arma tão poderosa como o humor deve ser usada contra o opressor, ou contra os nossos próprios defeitos de caráter. Por isto, também acho injusto expor alguém por bobagens cometidas anos atrás. As pessoas mudam; se não mudassem, então nem valia a pena falar mais nada.

21 comentários:

  1. que fase! Eu não acredito que aquele ser é presidente. Eu mesma tive a vida destruída pelo golpe, mas o mais importante ninguém fala. 400 BILHÕES são DADOS a não sei quem (não sabemos nossos credores, mas sabemos que 70% dos títulos da dívida pública são fraudulentos) através da dívida publica e dos nossos super juros, são os piores e bancos que mais fazem lucro no mundo. Meu Deus aquele breguisse de família Setubal! Morram desgraçados! esse país não é uma bosta a toa, não tem como ficar. E claro quem paga a divida publica somos nozes com o nossos impostos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hã, será que você comentou no post certo?

      Excluir
  2. Depois da queda da união soviética voltamos ao feudalismo, e o feudalismo é uma bosta!

    ResponderExcluir
  3. “(...) ou contra os nossos próprios defeitos de caráter.” Isso é o que os britânicos fazem, correto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://www.cartacapital.com.br/sociedade/o-humor-indestrutivel-dos-brasileiros
      "...Porém, mesmo com todos os elogios à leveza brasileira, é preciso dizer que nem todo humorista autodenominado é engraçado. Quem faz gozação sobre os mais fracos, ou brinca com o ressentimento em relação a minorias, não tem humor no coração, mas ódio. Figuras como Danilo Gentile não entenderam a natureza do humor, que, desde seu surgimento, sempre serviu para que aqueles que não tinham poder rissem dos poderosos...Com seu humor espontâneo, os brasileiros são para a América Latina o que os ingleses são para a Europa com seu humor negro."Philipp Lichterbeck
      Nick

      Excluir
  4. Quando troquei de emprego e a empresa nova me exigiu por contrato que eu não tivesse conta nenhuma (nem com perfil fake) em qualquer rede social, achei meio exagerado essa exigência. Hoje, concluo que fiz um ótimo negócio, por motivos variados.

    ResponderExcluir
  5. Já passou quantas noites sem dormir com medo de perder os seus patrocinadores depois que revelarem esses seus comentários????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 15:36 No próprio texto está o contexto em que foram citadas.
      G-

      Excluir
    2. G+ eu sei. Estava sendo irônico dizendo que por causas desses twitts o Tony iria perder os inúmeros patrocinadores do blog....

      Excluir
  6. O que me assusta é a má fé. Pessoas que se dizem defensoras do bem usarem recursos tão rasteiros pra tentar desmoralizar quem pensa diferente. Não aceitam que exista pluralidade e são incapazes se ater apenas ao debate de IDEIAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que essa coisa de opinião formada e imutável vem desde sendo embutida na cabeça das pessoas desde a formação no ensino medio. Desde um passado recentem, se cobra muito que os adolescentes tenham uma opinião sobre todo e qualquer assunto, principalmemte para ter o que escrever nas redações dos vestibulares. Não se ensina a discutir com outros sobre um dado assunto, geralmente, por praticidade, se ensina uma opinião já formada: se cair tal coisa diga isso e aquilo. Aí essas gerações mais aprenderam que: 1 - Ela sabe (ou necessita ter uma opinião ao menos) sobre toda e qualquer coisa, jamis pode fazer a Glória Perez, isso seria uma ato muito vergonhoso; 2 - Como, muitas vezes, essa opinião é formada através da doutrinação (num processo semelhante ao muitas das religiões), assim alguns religiosos fazem, eles agem na linha: se você questionar minha fé (hoje chamada de opinião) ou não apoia-la incondicionalmente merecerá a fogueira.

      Excluir
    2. Hey faz uma revisão no seu texto antes de publicar. Não é nenhuma das normalistas plantonistas dizendo. Apenas alguém que curti ler os comentários. Diboa!!!

      Excluir
    3. 21:54 - É que, às vezes, escrevo do celular. Nele, o teclado é muito pequeno assim como o texto na tela. com isso, a minha visão ruim somada a pressa (não tenho todo o tempo do mundo para interagir com esse maravilhoso blog) fazem com que o texto saia meio porco...

      Excluir
    4. Legal meu chapa, bom você ter entendido que o comentário era por carinho.
      G-

      Excluir
  7. O Mio Babbino Caro
    Boa parte aqui aprendeu que não dá para brincar de ser de Direita: Só para refrescar a memória basta relembrar os episódios do cancelamento do Queermuseu, as agressões à Judith Buther a polêmica da performance La Bête no MAM e "#Caetano pedófilo" se não aprenderam aprendam pois é assim que entre eles a banda toca.

    ResponderExcluir
  8. Ótimo texto! Eu que sou fã dos filmes da Marvel achei uma tremenda injustiça o que fizeram com o James Gunn. Daqui a pouco estaremos desenterrando as esquetes dos trapalhões dos anos 80, Escolinha do Professor Raimundo e até mesmo do antigo Zorra Total e crucificando humoristas como Tom Cavalcante, Renato Aragão e Dedé Santana pelas piadas que hoje seriam homofóbicas e racistas. Como você disse, todos mudam e devemos julgar as pessoas pelas suas atitudes no presente e não pelo que foram no passado, muito menos por meras postagens em redes sociais fora de co texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já não sera esse o motivo da turma do Didi não passar mais aos domingos?

      Excluir
  9. Acho correto expor sempre a hipocrisia!porque é atrás da hipocrisia que se escondem os racistas, homofóbicos, machistas, etc...
    mas, só dá pra considerar alguém hipócrita se as palavras ou ações contemporâneas contradizem palavras ou ações também contemporâneas.
    Se não for assim, é pura má-fé de quem faz esse tipo de ataque.

    ResponderExcluir
  10. Todos nós fomos e somos preconceituosos em alguma medida. O importante é ter consciência disso e tentar melhorar. Se alguém conseguiu melhorar nos últimos anos, é algo para se elogiar.

    ResponderExcluir
  11. Li sua coluna sobre Gabriela e me assustei como minha visão do remake casou perfeitamente com a sua. Agora uma coisa nada a ver me chamou a atenção: se você tinha 54 anos em 2012, hoje você tem 60!? =O

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho 57 anos, faço 58 em outubro. Sou de 1960.

      Minha idade no F5 sempre sai errada, para mais ou para menos.

      Excluir