quinta-feira, 7 de junho de 2018

TÍAS Y MARICONES AL PODER

Dois países da Europa mediterrânea, de cultura católica e profunda influência sobre a América Latina, chegaram a governos totalmente distintos nesta semana. E isto apesar de ambos serem democracias parlamentaristas, onde não houve um vencedor absoluto nas últimas eleições. Na Espanha, um voto de desconfiança derrubou o conservador Mariano Rajoy, cujo partido está enrolado em denúncias de corrupção.  Pedro Sánchez, o novo primeiro-ministro socialista, deu um golpe e tanto de marketing ao anunciar seu ministério: dos 17 escolhidos, 11 são mulheres e dois são homens assumidamente gays (Fernando Grade-Marlaska, do Interior, e Maxim Huerta, da Cultura e do Esporte). Enquanto isto, na Itália, o novo ministro das Famílias, Lorenzo Fontana (do partido racista Lega, que já pregou a independência do norte do país), declarou que, diante da lei, "as famílias arco-íris não existem". Enquanto que na Espanha o casamento igualitário foi aprovado há mais de uma década, a Itália só reconhece as uniões civis há dois anos. Fontana ainda saiu-se com a clássica "toda criança precisa de um pai e uma mãe" - o que, se fosse para valer, arrancaria de suas casas as crianças órfãs de um dos pais. Ah, claro, ele também disse que tem muitos amigos gays, dãã. Quem diria? Dois países tão próximos, e com uma diferença horária de mais de um século.

21 comentários:

  1. Ôô seu superficial, esqueceu de falar o mais importante: o espanhol é um gato!!!

    ResponderExcluir
  2. O Mio Babbino Caro
    Pois é! Permanentemente somos desafiados a esses descompaços que não deixam de nos Indignar e nos entristecer. Mais ainda quando vemos o apoio de alguns dos nossos justificando seus apoios à esses atravancamentos.

    ResponderExcluir
  3. Nos os progressistas e pessoas civilizadas estamos num boicote total a italia e seus produtos!
    Iremos deixar a Italia de joelhos igual a Gra Bretanha!
    Brasil e Argentina já estão de joelhos faz tempo!!!
    Aprendam uma coisa: nos os progressistas temos poder!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 2:23 HAHAHA Quando você tiver esse tipo de delírio de grandeza durante a madrugada, miga, basta tomar o remedinho que o doctor passou para uma das suas comorbidades. De nada.

      Excluir
    2. Nos os reacionário e pessoas que não querem civilidades estamos num boicote total contra a Espanha.

      Excluir
    3. 10:35 & 11:39 vcs se esqueceram de coisa fundamental: vcs não contam! Simples assim: vcs estão mortas!!!

      Excluir
  4. E na mesma semana que a CJE determinou que cônjuges do mesmo sexo de algum cidadão europeu têm direito a morar com o esposo/esposa em qualquer país da UE. A maioria dos países já aceitava isso. Mas alguns ainda vivem no passado como a Romênia.

    ResponderExcluir
  5. Itália e França são países corroídos pelo peso da "tradição" e de um senso de valor originário de um passado grandioso mas longínquo. A sorte da ultima (França) é a pegada mais revolucionaria e questionadora que chama um pouco para a realidade, mas a primeira (Itália) parece não se incomodar em se apegar à uma imagem própria completamente defasada ao mundo atual.

    Espanha e Portugal tem mais facilidade em quebrar esses laços com o passado. Se levam menos à sério.

    Uma pena. Itália é um pais com tanto potencial.

    ResponderExcluir
  6. Vc viu a polêmica do outfit

    ResponderExcluir
  7. O socialista que assumiu na Espanha só o fez por questões circunstanciais. Ele certamente vai dobrar a aposta na lacração à la Haddad, e a direita vai fazer a festa nas próximas eleições. O zeitgeist do século corrente é coservador, antirregulação estatal e pró indivíduo - o real, não aquele coletivista idealizado pela narrativa de esquerda.

    Só fico com pena das mulheres que, segundo a leitura o homem médio, se tornaram ministras por questões ideológicas. Bem diferente das fortìssimas e poderosas mulheres do governo Trump, que, segundo a leitura da população, chegaram lá por indiscutíveis talento e competência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, as mulheres do governo Trump??

      Betsy Vos, que não entende patavina de educação?

      Sarah Huckabee, a porta-voz que mente o tempo todo?

      Ivanka Trump???

      Cara, você não sabe ler! Vai curtir as suas fake news, vai.

      Excluir
    2. Que cara de pau, sem vergonha. Vir aqui aqui fazer proselitismo fascista e ainda plantar game News.
      O que poderia explicar uma viada dessas????

      Excluir
    3. SERÁ QUE ALGUM CAMINHONEIRO deu FIM NA DeFu.
      OS CAMINHOES FORAM A pÁ DE CAL NAS pATAS DA pAULISTA.

      Excluir
  8. Vamos desqualificar todas as mulheres que não corroboram a narrativa de esquerda. Façamos o mesmo com gays e negros. Só quem se alinha merece o empoderamento, certo? Gina Haspel discorda.

    Quanto às famigeradas fake news, simples, basta ficar bem longe dos militantes disfarçados de jornalistas isentos da Fake Press oficial.

    Beijos e um ótimo finde pra ti. :*

    ResponderExcluir
  9. Por quê Dilma nunca botou Jean de ministro? Ah esqueci que ele é uma piada no meio político.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...fogo amigo nas cores do arco íris é ótEmo o que ganhamos com isso. E o seu candidato o que fez pelas viadas.

      Excluir
  10. "O zeitgeist do século corrente é coservador, antirregulação estatal e pró indivíduo " Só lembrando que a economia entrou em colapso em 2008 devido a não regulação do sistema bancário americano! Quem era o presidente do FED quando a crise estourou deve ler as mesmas obras que você! E lembrando que a economia é cíclica, seja um governo de direita ou de esquerda, sempre a economia vai ter seus altos e baixos. Além do mais eu acho que a crise ainda não acabou. Mais um caso que quebra sua tese do "zeitgeist" do século corrente ser aparentemente de direita é a Islândia. Que depois da crise fez tudo ao contrário do que prega a cartilha que você segue e hoje é governada por um partido ecossocialista, feminista e etc (enfim ESQUERDISTA, do jeito que você odeia). E para ver os resultado digita Islândia PIB e depoois Islândia desemprego no google (em abas diferentes), a primeira coisa que vai aparecer são gráficos. Veja a diferença de 2008 pra frente! E veja os governos de direita que levaram a crise e depois o que os governos de esquerda fizeram e vejamos se a tese de governos de esquerda maltratarem a economia é verdade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nicka, esse amontoado de exemplos num texto sem qualquer coesão só expõe a confusão que habita em você.

      (1) Dica sobre lógica elementar: justapor fatos isolados só funciona como ilustração.

      (2) Tendo a Islândia sofrido intensamente com a crise de 2008, a recuperação era o único caminho. Tudo que desce uma hora sobe.

      (3) Olhe a Europa de uma forma geral, sua tese sobre o sucesso arrebatador da esquerda cai por terra. Pinçar apenas aquilo que corrobora um passamento é apenas má-fé travestida de ignorância.

      (4) Parece que sua compreensão do conceito de zeitgeist saiu da Wikipedia. Menos Google, mais leitura séria, gata!

      (5) As impressões digitais do Estado na crise de 2008 estão em toda a cena do crime. Pesquise como foram articulados politicamente os financiamentos imobiliários para os pobrezinhos vítimas da sociedade que não podiam pagar a dívida. Os derivativos foram apenas uma das ferramentas criadas para manter o castelo de cartas em pé.

      De nada!

      Excluir
    2. "mais leitura séria, gata" O que seria? Os mesmos livros de sempre dos liberais/libertários, como Caminho da Servidão, ou blog Misses Brasil tem esses livros magníficos?
      Nick

      Excluir
    3. A Islândia pulou de um turismo de 200 mil turistas para 2 milhões por ano. Qualquer país, ainda mais daquele tamanho, ficaria rico com tamanha explosão de entrada de dinheiro. Eles mal dão conta de tanto turista e dinheiro.

      Excluir
  11. Que empiece el matriarcado!

    ResponderExcluir