sexta-feira, 8 de junho de 2018

QUEER AS OLD

Agora eu me senti realmente velho: foi em dezembro de 2000 que estreou nos Estados Unidos a primeira temporada de "Queer as Folk", uma série fundamental para a minha formação viadística. Eu já conhecia a versão original britânica, mas o remake americano, com atores mais bonitos e muito mais subtramas, me pirou os cabeções. A série estreou no Brasil pela HBO, em meados de 2001. Naquela época, vários dos meus amigos ainda não tinham TV paga. Então "QaF" era o pretexto ideal para reunir a galère em casa às sextas, à meia-noite: a gente via um episódio, tomava uns drinks e chegava em ponto de bala no Ultralounge. Foi assim que começaram os lendários esquentas na minha casa, que durante mais de uma década foram um dos epicentros da noite gay de São Paulo. Esse tempo passou e eu saio pouco hoje em dia, mas "Queer as Folk" continua firme como um dos melhores programas de todos os tempos. A revista "Entertainment Weekly" acaba de reunir o elenco principal para uma entrevista, e é fascinante como todos estão hiper bem conservados (olha o Justin!!!). Portanto, se você é jovem e ainda não conhece este marco da cultura LGBT, compre os DVDs na Amazon, baixe, roube, faça o que for necessário. "Queer as Folk" é indispensável.

20 comentários:

  1. QaF significou o mesmo pra mim e pros meus amigos. A gente se reunia pra ver. Era a primeira vez que nos "víamos" na TV. E sonhávamos em ir ferver na Babylon...

    ResponderExcluir
  2. Na era Millenium (00's) tivemos sex and city e Queer as folk. Porém nas últimas temporadas (ou anos mesmo) não vi nada marcante pro público gay...

    Versace é muito life American e aquela série da HBO com Bears era chata pacas, tanto que terminou na 2 temporada senão me engano.

    ResponderExcluir
  3. Assiste há uns dois anos +/-
    E aconteceu oq eles falam no vídeo
    Viciei total, vi todos os episódios, sei lá, em uma, duas semanas
    Tinha legendado no youtube

    ResponderExcluir
  4. Chegava a ponto de bala no Ultra. Literalmente.

    ResponderExcluir
  5. Quem tá bem de verdade é o Charles Humman da versão U.K

    ResponderExcluir
  6. Apesar de não ser um grande apreciador de séries, considero esta uma daquelas fundamentais. Recentemente, na intenção de reassisti-la, passei um pequeno sufoco pra conseguir encontrar os episódios em alta definição (ainda que em upscalling nas primeiras temporadas), e outra luta - esta perdida - foi tentar achar legendas com uma tradução correta e bem adaptada das gírias e expressões que eles usam. Incrivelmente, da última vez que eu procurei, era impossível assistir legalmente no Brasil a versão americana da série: nem os DVDs estão à venda. Ainda assim, todo o esforço vale à pena. Como disse, não sou especialista no assunto, mas considero o primeiro episódio um belo exemplo de como apresentar com dinamismo e sem enrolações desnecessárias o que viria a seguir.

    Ps. Todos envelheceram bem, MENOS o Hal Sparks (Mike Novotny) que está BIZARRO.

    ResponderExcluir
  7. Que otimo que as macacadas brazucas assistiram essa série! De fato é marco cultural!
    Não vi a versão americana urghh e nem pretendo...
    Quanto a vc ser o epicentro por décadas da noite paulista... a bala é furada...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por décadas não, mas por mais de uma década. É UM dos epicentros, não O. Pergunte a alguém que foi a algum dos meus lendários esquentas. Pelo jeito, você nunca foi convidado.

      Excluir
    2. Esquenta na Lorena9 de junho de 2018 16:40

      19:57 Tony aumenta, mas não inventa!

      Excluir
    3. Em outras palavras: uma mentirosa!

      Excluir
  8. Simplesmente a melhor sério já inventada por uma gay. Porque? assista e saberás

    ResponderExcluir
  9. FHC pediu dinheiro para a Odebrecht! Fhcista! E agora, gênio ?

    ResponderExcluir
  10. E nuuuuuuunca vi UM episódio SEQUER!

    Coxinha ALIENADA "iluminada".

    ResponderExcluir
  11. A série é simplesmente maravilhosa. Já fervi horrores na Babylon da Te inspirado na série. Nostálgica.

    ResponderExcluir
  12. Acho que descobri a série muito tarde (mas já faz uns 8 anos que assisti, lembro que estava faculdade), mas quando assisti me viciei também. Só não entendo porque The L World estava netflix e QAF nunca apareceu na plataforma! (eram séries da showtime, mas acho que TLW era produzida pela Waner por isso tinha na netflix)
    Nick

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A série está disponível no Netflix americano. Não sei pq não tá no BR
      Ps: sempre quis ir nesses esquentas da Tonya, mas não morava em SP!

      Excluir
  13. O lindo título nacional era: "Os assumidos"!!!!!!

    ResponderExcluir
  14. Sabe que essa série nunca me animou. Achava o máximo a temática. Porém, acabou que vi uma vezes e acabou ficando de lado.
    Quem sabe agora, depois de tanto tempo, eu não veja a coisa com outros olhos e me interesse. Vou tentar mais um vez.

    ResponderExcluir
  15. Impressionante o ator que fazia o Ben, marido do mala Michael, que hoje tem 50 anos e está tão bonito ou mais do que na época, conservado num botox muito bem aplicado. Inclusive ele faz um personagem gay na série 13 reasons why.
    Agora imagina essa série se fosse feita hoje a gritaria dos militontos, já que só tinha elenco de atores brancos, magros, bonitos e em sua maioria heteronormativos.
    Não duraria uma temporada.

    ResponderExcluir