quinta-feira, 28 de junho de 2018

PERIGO SUPREMO

Aqui no Brasil, juízes do Supremo podem julgar sozinhos, ou então divididos em turmas. A razão para isto é a avalanche de casos que chegam ao STF todos os anos, muito por conta da leniência da lei que permite que alguns casos se arrastem por anos através de infinitas instâncias, e também do foro privilegiado de que desfrutam milhares de pessoas. O resultado são imbróglios como o desta semana, em que Zé Dirceu foi solto mais uma vez. Nos Estados Unidos, a Suprema Corte só julga casos que dependam de uma interpretando da Constituição, e são poucos por ano. Por isto mesmo, as decisões por lá costumam ter consequências sísmicas e duradouras. Além do mais, o cargo de juiz da Suprema Corte é vitalício. Mas o juiz pode se aposentar quando sentir que chegou a hora, como acontece agora como Anthony Kennedy. Moderado, sem pender para a direita nem para a esquerda, coube a ele muitas vezes o voto decisivo em questões espinhosas. Mas o fiel da balança anunciou que vai para casa no fim de julho, abrindo assim mais uma vaga para Donald Trump preencher. Custava o sr. Kennedy ter esperado até depois das eleições de novembro, quando provavelmente a liderança de pelo menos uma das casas do Legislativo mudará de mãos? Agora os democratas tentarão todo tipo de medida protelatória, porque é muito capaz que o ensandecido presidente laranja escolha um neonazista para o cargo. A capa do tabloide Daily News, de Nova York, reflete o sentimento dos liberais. Controle de armas, direito ao aborto, casamento gay, tudo isto pode ir para a cucuia nos próximos anos. E o que acontece nos EUA costuma refletir no resto do mundo: portanto, essa é uma briga a se acompanhar com a devida atenção.

15 comentários:

  1. Tomara que aconteça algo parecido com as indicações do Alexandre de Moraes ao STF e Raquel Dodge ao PG feitas pelo Temer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raquel Dodge e Alexandre de Moraes estão tendo um bom desempenho? Achei que ainda tivessem o status de coringa...

      Excluir
    2. 14:27 Não estão nem de perto tendo o "empenho" que a cúpula do presidente imaginava que iriam ter.

      Excluir
  2. EUA é o novo bastião do atraso no mundo.

    ResponderExcluir
  3. O Mio Babbino Caro
    My God!
    Os pesadelos não param!!!

    ResponderExcluir
  4. Havia falado da aposentadoria do juiz Kennedy há uns dias aqui. E olhe só, ele resolve se aposentar. Se lamento a aposentadoria dele? Sim, ainda mais nessa hora. Nesse momento. De todo modo, fica aqui mais uma lição para liberais que viviam criticando a candidatura de Hillary e nela não votaram. É... a vida não é fácil. Será que certos liberais não pragmáticos aprenderão dessa vez? A Suprema Corte Americana terá anos de maioria conservadora. Então casos como direitos de cotas raciais (que continua sendo imbróglio jurídico), uma causa que aos poucos avança e periga chegar na Suprema Corte como direito das pessoas trans, estão definitivamente enterradas com uma Corte conservadora. Mesmo republicanos moderados, como Susan Collins, Lisa Murkowski, Shelley Moore Capito, votaram na indicação de Neil Gorshuch, um conservadorzão de primeiro quilate. Então certamente o campo moderado republicano deve seguir pelo mesmo caminho e chancelar a indicação de Trump para substituir o juiz Kennedy.

    ResponderExcluir
  5. Acredito que os EUA começarão a história distópica de um futuro próximo. Os gays serão história; os negros voltarão à escravidão; a religião preponderará; as benesses da ciência servirão apenas para os poderosos e sua mazelas serão usadas no controle da massa; o rico continuará cada vez mais rico e com mais poder; o pobre será apenas mais um parafuso na máquina. Aliás, as máquinas serão cada vez mais instrumentos de controle pela força e vigilância. Não existirá privacidade aos que não fazem parte do pequeno núcleo de poder. Resumindo, o futuro será uma merda muito maior do a de hoje. Conquistas nos direitos civis e liberdades individuais farão parte do imaginário coletivo como lembranças de uma época de ouro ou até como lendas mitológicas utópicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 15:06 Anda assistindo muito filme e estudando pouca história.

      Excluir
    2. Menos!
      Porém as DeFun reinarão absolutas nesse vale de trevas...
      G-

      Excluir
  6. Kennedy foi indicado por um republicano, e suas posições jurídicas liberais nos costumes, sempre foi motivo de irritação entre conservadores. A aposentadoria dele agora em julho é muito simples: Kennedy quer agradar os republicanos e dar a oportunidade de Trump indicar logo um novo juiz, antes que por ventura os democratas assumam o controle do Senado. O próprio Kennedy já manifestou que quer que sua vaga seja assumida por um republicano. Assim Kennedy quer arrefecer as tensões entre ele e os conservadores. E agora com as regras quebradas pelos republicanos, um juiz pode ser indicado com maioria simples. Então, supimpa, Kennedy se vai, mas não sem antes acenar para o ninho republicano e fazer as pazes com os conservadores. E de quebra, para agradar o GOP, Kennedy sai, mas dará lugar para um juiz não mais centrista, e sim, conservador até a morte.

    ResponderExcluir
  7. Mais uma vez, Tony exclui comentários dentro do tema, mas que não reforça a narrativa que ele defende.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você já reparou no nome deste blog? Pois é. Por aqui mando yo.

      Excluir
  8. O que ninguém percebe é o seguinte: só pelo fato desses juízes serem partidários ideologicamente, isso somente, já anula qualquer conceito de justiça.
    Justiça não pode ter partidos jamais!!! Portanto essa justiça é fake e invalida
    Justiça se faz com as próprias mãos!

    ResponderExcluir
  9. Mais surpreendentes ainda foram as indicações da Dilma: Zavascki, Fachin e Barroso, e até mesmo Rosa Weber. A anta não conseguia fazer pipi dentro do penico!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 05:34 Isso é revelador sôbre a elite nacional.

      Excluir