segunda-feira, 4 de junho de 2018

ELE ESTÁ NO MEIO DE NÓS

Quando eu era pequeno, ainda se ensinava nas escolas que o Brasil era um paraíso racial e um exemplo para o mundo. isto me ajudou a não crescer racista, mas depois descobri que muita gente havia matado aula. O mito de que por aqui não existe racismo não resiste dois segundos se exposto à luz do dia. Toda vez que perguntei a um negro quando tinha sido a última vez que ele tinha sido discriminado por causa da cor da pele, a resposta foi, invariavalmente, "hoje". Assumir que o Brasil é, sim, racista é o primeiro passo para enfrentarmos o problema. O racismo brasileiro é mais sutil que o americano, menos escancarado, mais "cordial" (põe aspas nisso) - e por isto mesmo, mais perverso. Veja a piada que o sertanejo César Menotti soltou no "Altas Horas" deste sábado: samba, segundo ele, é música de bandido. No mesmo fim de semana saiu a notícia chocante de que alunos brancos da PUC carioca teriam hostilizado um jogador negro durante uma partida de futebol em Petrópolis. Como que essa galera acha que vai passar impune, em plena era do smartphone? Não admira que o movimento negro às vezes exagere na reação, como aconteceu no bafafá que levou à renúncia de Fabiana Cozza ao papel de Dona Ivone lara (assunto da minha coluna de hoje no F5). Enquanto o racismo não for extirpado, os racistas têm que ficar no armário. Já que estão entre nós, que que fiquem quietinhos.

27 comentários:

  1. Primeiramente, o problema precisa existir e ser gravíssimo. Depois todos precisam enxergar e concordar com as demandas, sob pena de serem criminalizados se não consentirem com a narrativa. Por fim, a solução precisa ser a mais complexa e cara possível. Eis, em linhas gerais, o modelo de negócio do ativismo no século XXI.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 17:50 O melhor é não fazer nada nesse NEGÓCIO né.

      Excluir
  2. acho melhor que fiquem fora do armário , somente assim combateremos o racismo explicito e velado

    ResponderExcluir
  3. O jogador de futebol Neymar concedeu uma vez umaentrevista ao jornal “Estado de S. Paulo”. “Já foi vítima de racismo?”, questionou o jornal . A resposta de Neymar: “Nunca. Nem dentro e nem fora de campo. Até porque eu não sou preto, né?”.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Brasileiro não se reconhece.

      Excluir
    2. Não foi o Ronaldinho que disse isso? Ou será que nenhum dos dois se identifica como negro?

      Excluir
    3. Mas vc esperaria o que de um beócio social daquele.
      Ele esta lá muito bem pago para digamos...

      Excluir
    4. Ronalducho também se acha branco. A nossa lei permite que cada um se autodeclare como se vê. Mas aí a militância resolveu que isso não serve pras cotas nas universidades, tem que fazer checagem de cor, aquele lance legal tipo nazismo.

      Excluir
    5. De acordo com a militância extrema que o Tony retrata na coluna, nem Neymar nem Ronaldo são negros e jamais deveriam representar um ou usar uma cota para o tal.

      Excluir
  4. Os ativistas negros não aceitam mais viver numa sociedade que se diz livre do racismo, mas não dá oportunidades iguais de cidadania por preconceito.

    ResponderExcluir
  5. a mestiçagem preponderante não livrou o Brasil do racismo e só criou um racismo diferente do padrão nórdico

    ResponderExcluir
  6. passados 130 anos da abolição, por que os negros ainda são os mais pobres na sociedade brasileira?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é só na sociedade brasileira. Em praticamente todos os países onde há mistura de brancos e negros, os últimos se concentram na camada mais pobre. Não acho, que isso vai se resolver em pouco tempo. Pelo , menos mais uns 130 anos e olhe lá.

      Excluir
  7. Na carta que soltou, Fabiana passa a mão na cabeça da militância que a reduziu a pó e põe a culpa no mundo branco cruel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para desgosto de Racistas e sua imensa sabedoria, teve esse gesto nobre. Chupa!!!

      Excluir
  8. O Mio Babbino Caro
    Existem os RACISTAS e os idiotas, sem noção, otários, babacas, estúpidos, sem educação e até um bando de coitados, aonde eu acredito que se encaixe o rapazinho, definitivamente, respondido pela Deputada Estadual LGBTIQ+ e do Candomblé, LECI BRANDÃO.
    Ok visto isso, como o final de semana foi repleto de transbordamentos nesse "Campo", não tenha dúvida que a pauta mais focada acabará sendo o colorismo com Cozza...afinal é a forma mais fácil de devolver a "Bola" e quanto a isso: "Mundo Mundo vasto Mundo se eu me chamasse Raimundo".

    ResponderExcluir
  9. Vamos combinar: racismo é coisa de monstros! Nao ha lugar na socidade civilizada pra esses escrotos! Sempre viverão nos esgotos!!!

    ResponderExcluir
  10. Só o termo “bandido” que é pura propaganda já explica muita coisa

    ResponderExcluir
  11. Pra mim essa militância que fica falando de apropriação cultura e o bafafá que levou à renúncia de Fabiana Cozza ao papel de Dona Ivone lara só faz aumentar o preconceito. Eles querem que seja como nos EUA, tudo bem especificadinho o que é coisa de white people e coisa de black people. Sem um poder fazer o que está especificado para o outro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 18:45/23:39 ...E devolve a bola kkkk

      Excluir
  12. Enquanto Fabiana Cozza é impedida de fazer Dona Ivone Lara, na Broadway, atores negros já interpretaram Jean Valjean e Javert em ‘Les Miserables’, de Victor Hugo, e uma elogiada negra faz a Natasha de ‘Natasha, Pierre & The Great Comet of 1812’, musical baseado em ‘Guerra e Paz’, de Leon Tolstoy. Isso no racista EUA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não soube de impedimento (só o da Dilma haha) Viva Bon Dylan interpretado por uma mulher negra

      Excluir
  13. Ele é do interior de SP. Já morei em diversas cidades lá, incluindo sua cidade natal. Lá o racismo e o preconceito contra nordestinos são regra, muito arraigados e vistos com absoluta naturalidade. Em sua maioria são pessoas extremamente provincianas e que rechaçam qualquer diferença. Se consideram superiores e não percebem o quanto são ignorantes, nem se dão conta que também são alvo eles mesmos de preconceito (“jecas” e afins).

    ResponderExcluir
  14. Um ignorante sem estudo ser racista, digamos, é até compreensível. Agora, um estudante universitário agir dessa forma, mostra uma clara falência na parte do sistema de ensino voltada a formação de uma sociedade civilizada.

    ResponderExcluir
  15. Saudades de quando o sertanejo NÃO ENTRAVA no Rio de Janeiro...

    ResponderExcluir
  16. A frase do sertanejo é tão racista quanto a de William Waack mas cadê a repercussão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 01:58 Taí!
      Maior a nau Maior a tormenta Waack era um jornalista "respeitado", esse infeliz é um chucro.

      Excluir