quinta-feira, 17 de maio de 2018

VAI TER LUTA, VAI TER BEIJO

É a velha história: o Dia Internacional de Combate à Homofobia tem que acabar. Só quando não precisarmos mais de datas como esta é que poderemos dizer que L, G, B, T e todas as siglas ainda por surgir são cidadãos plenos, reconhecidos como tal por toda a sociedade. Enquanto isto, a luta continua. Nos mais variados fronts: até no "Morning Show" de hoje (no ar no momento em que escrevo este post!), com um segmento voltado ao tema.

O programa da rádio Jovem Pan está promovendo um tuitaço com a tag #MinhaÚltimaMúsica, convidando a galera a contar qual seria a música que ela pediria se fosse vítima de um ataque homofóbico (a minha seria "Que Delícia Ser Viado", para agredir meus agressores e mostrar que nem me matando eles conseguem destruir o prazer de ser quem eu sou). E chamou o jornalista Fernando "Fefito" de Oliveira e a cantora Candy Mel, do programa "Estação Plural" da TV Brasil, para debater o assunto. Nunca é demais lembrar que o Brasil é o país onde mais se matam gays e trans - mais de um por dia, que tal?

Mas também acho fundamental lembrar que a homofobia não se manifesta apenas por violência física. Não podemos cair nessa armadilha, muito usada por evangélicos e reacionários. Homofobia é qualquer atitude que discrimine os LGBTQetc. Basta um olhar enviesado para o sujeito ser considerado homofóbico. Basta não reconhecer que temos os mesmos direitos e deveres que todo mundo, sem nenhum privilégio especial. E que podemos nos beijar na frente das crianças.

É nesse sentido que muitos beijaços acontecem hoje, em vários países do mundo. Aqui em São Paulo vai ser no vão livre do MASP, das 18h às 19h, promovido pelo aplicativo Hornet. Mas não precisa ter o app instalado (e eu aposto que você tem) para participar. Bora beijar estranhos, amigxs!

22 comentários:

  1. Errou feio! Não tenho esse e nem outros aplicativos similares instalados no meu smartphone. Pra acabar com a homofobia temos que começar a mudança por nós mesmos. Extinção dos guetos, ainda que virtuais, seria um importante passo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá ligado que o fato de não ter nenhum aplicativo instalado não faz de você um gay superior aos outros, né?

      Excluir
    2. E quem disse que não? Amor próprio é tudo nessa vida e quem o tem pode se considerar um privilegiado!

      Excluir
    3. 14:17 Quem tem amor próprio não pode transar co estranhos? Só consigo mesmo é?

      Excluir
    4. Quanta bobagem!!
      Seja livre amiga!!

      Excluir
    5. Jura, Timão, que vc precisa de apps de pegação pra transar com estranhos? Me fale mais sobre sua vida sexual antes do advento dos smartphones...

      Excluir
    6. 16:28 Não uso apps pq tenho um casamento monogâmico. Na minha época de solteiro não tinha nem celular... Porém, não tenho nada contra quem faz uso intensivo disso. Não sou como algums evangélicos que se importam com a vida sexual alheia.

      Excluir
    7. hahaha como se héteros também não utilizassem aplicativos...tá sem amigo hétero, né

      Excluir
  2. Beijaço no vão do Masp, o lugar mais gay da cidade? Acho sem visibilidade alguma. Não tirando a importância, é que acho ali uber gueto, só quem entra e frequenta vai ver. Já fomos mais ousados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade. Aquilo lá tem muita parede, e quase que não passa ninguém na Paulista. Ainda mais às seis horas da tarde de um dia de semana

      Excluir
    2. 14:08 Ao invés ficar jogando critica no ar (dizendo que no MASP não é legal), faça uma crítica construtiva e sugira um lugar como alternativa.

      Excluir
    3. TIMONA, duas coisas. Só se usa invés quando é uma ideia oposta, em vez de se usa pra substituição.
      Ademais, terei sempre minha opinião mesmo que desagrade, seu lacre não vai me calar. Vai lá beijar no vão já que você é tão lacrativa.

      Excluir
    4. 15:08 Arranje um amor (de verdade) na sua vida. Você precisa urgentemente ser amado para se tornar menos amargo.

      Excluir
  3. tony, vc acha mesmo pertinente este tipo de ação da JP ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu agora me dou conta que a hashtag foi mal formulada, pois muita gente entendeu errado. O que vale é a intenção: o programa quis lançar luz sobre a violência contra os gays.

      Excluir
  4. "Espere aí senhor homofóbico antes de me matar deixa eu dar uma ligadinha pra jovem pan pra ver pedir uma música, tá? "

    ResponderExcluir
  5. O Mio Babbino Caro
    Não me parece que boa parte dos leitores comungam com essa linguagem
    "Panfletária/Esquerdopata" para enaltecer a data lembrada. De qualquer forma é alentador saber da sua disposição em oposição à homofobia.
    Só me faz feliz um post direto como este.

    ResponderExcluir
  6. publicitário é mesmo a raça mais suja q tem. tem q ser muito bosta pra defender um nojo de "campanha" como essa das amiga de profissão e achar q foi mal compreendida. não somos burros, vcs que vivem numa época atrasada e mofada. façam um favor e se aposentem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você viu/ouviu o programa? ata

      Excluir
    2. Essa campanha me causou um desconforto instantâneo. Uma sensação repetida, mais ou menos como na época em que o personagem Crô tinha aceitação na novela. Perpetuação de esculacho pro nosso lado.

      Excluir
  7. Tony, apaga que da tempo... oh wait... (G1, Revista Forum, Uol, Twitter, etc, é, acho que num da mais tempo mesmo nao.) Errou feio, errou bruto, errou miseravelmente! Simplesmente aceite o erro e pare de defender. Eu juro que vim aqui pensando que vc estaria largando o pau na hashtag e, pra minha surpresa, vc ta é defendendo... (quer dizer, defendendo mais ou menos, pq vc se limitou a dzr "a hashtag foi mal formulada, pois muita gente entendeu errado") ata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas publicitario é assim mesmo. broderagem masculina reina. um monte de tiozão datado que se acha descoladex mas com a mentalidade de vida presa nos anos 80, insistindo em defender as cagadas e ainda chamando a gente de burros e sem cultura. Só uma diquinha: a Lew Lara, agencia responsavel por essa bomba q a gay blogueira insiste em defender ta repleta de acusações de assédio moral, sexual e todo tipo de machismo na planilha do mercado de comunicação: https://docs.google.com/spreadsheets/d/1oaUtNdlS4JUu7RFtOtFnWOX41zg1fRZ3N2DEHTLmniM/htmlview?usp=sharing&sle=true

      eat it!

      Excluir