sábado, 26 de maio de 2018

TOGETHER FOR YES


Esta semana eu disse nas minhas redes sociais que o país que eu quero tem aborto, maconha e casamento homossexual legalizados. Concluí que esse país era o Uruguai, mas por que não a Irlanda? Lá ainda não se compram baseados nas farmácias, mas o referendo de ontem trouxe a Ilha de Esmeralda mais para dentro do século 21. Dois terços da população votaram para que a legislação vigente, que proíbe o aborto em qualquer hipótese, possa ser revisada pelo parlamento. A campanha pelo "yes" teve a participação de estrelas como Saoirse Ronan e Cillian Murphy, e o apoio do primeiro-ministro Leo Varadkar (que é de origem indiana e gay - mais uma razão para amar os irlandeses). Enquanto isto, no Brasil, a bancada religiosa quer que até mulheres que abortam nos casos previstos por lei prestem depoimento nas delegacias. Quanto custa uma passagem para Dublin?

27 comentários:

  1. Tenho quase certeza que a bancada religiosa da Irlanda (assim como aqueles que ela representa) também quer que até mulheres que abortam nos casos previstos por lei prestem depoimento nas delegacias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser. Mas lá eles são minoria...

      Excluir
    2. A Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional tem 199 (de 513) deputados e 4 (de 81) Senadores.

      Um número um pouco menor que a Frente Parlamentar Mista da Erva-Mate (204 Deputados e 15 Senadores) ou da Frente Parlamentar Mista em Apoio ao Nióbio e as Pedras Preciosas (201 Dep. e 18 Sen.).

      Perde em Deputados, mas ganha em Senadores, para a Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Humanos (217 Dep. e 0 Sen.) e para Frente Parlamentar pela Defesa, Apoio e Fortalecimento da Bicicleta como meio de transporte e atividade esportiva (208 Dep. e 1 Sen.).

      Agora o problema é, nem sequer existe uma frente em defesa das minorias, muito menos das causas LGBT.

      Excluir
    3. Acho que as minorias e as causas LGBT são representadas pela
      Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Humanos. Mas quando me lembro de uns que foram presidentes da Comissão de Direitos Humanos lembro que não posso confiar muito!

      Excluir
  2. Ponto número dois. Ao contrário do Brasil, até então na Irlanda dá cadeia de imediato (de até 14 anos), abortar quando há má-formação cerebral do feto ou em casos de estupro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A lei de lá ainda não mudou, mas deve mudar até o fim do ano.

      Excluir
    2. Deve mudar um pouco. A bancada religiosa lá é, meio como a daqui. Apesar de representar poucos, tem um poder forte.

      Excluir
  3. Me leva com você Tony.Falando da greve dos caminhoneiros já sentiu algum impacto aqui em Salvador já não tem gasolina e no meu bairro já não tem gás de cozinha

    ResponderExcluir
  4. Concordo que ela vem mudando numa velocidade incrível. Principalmente se lembrarmos que, até 1993, ser homossexual lá era crime.

    ResponderExcluir
  5. Um peso duas medidas...
    GRANDES hospitais de SP se fazem de besta e são feitos abortos em sala de operação com tudo o q um ótimo hospital pode oferecer, é só pagar....

    ResponderExcluir
  6. "Esta semana eu disse nas minhas redes sociais que o país que eu quero tem aborto, maconha e casamento homossexual legalizados" Cade os DeFu da vida para comentarem essa afirmação escabrosa do Tony, será que é porque em um país onde a direita chega ao poder isso nunca vai acontecer, será porque o Tony deletou os comentários, aguardando os Zumbis acordarem... Ou melhor não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente Nick estamos vendo uma debandada em massa da Áustria, pais agora sob governo de direita, acho até que vão todos pedir asilo na (sorry pela citação, sei que dói em vcs) Venezuela.
      A vida na Áustria deve estar mesmo horrivel.

      Excluir
    2. O partido lá é de de CENTRO-direita! Além do mais sempre que vocês de direita lembra de esquerda tem uma tara irresistível por falar em Venezuela! Só lembrando que a esquerda (melhor, centro-esquerda) domina a vida política a um bom tempo nos países nórdicos, principalmente a Suécia. A Noruega hoje está sendo governada pela centro-direita! E quem tem tara de debandar pra outro canto são vocês de direita!

      Excluir
    3. Falando da Austria, esse "paraíso da direita" (sic), fui pesquisar os 3 assuntos:
      1-casamento homossexual:https://en.wikipedia.org/wiki/Same-sex_marriage_in_Austria
      É muito grande o artigo, mas na parte "Legalisation of registered partnerships", "10 December 2009 vote in the National Council"
      a-Social Democratic Party of Austria - centro esquerda- 54 votos a favor
      b- Austrian People's Party - centro direita- 51 a favor (partido atual de CENTRO-direita que governa)
      c-Freedom Party of Austria- direita populista- 34 contra, nenhum a favor

      2-Aborto
      https://en.wikipedia.org/wiki/Abortion_in_Austria
      Nesse artigo está escrito "Abortion in Austria has been fully legalized since January 1, 1975."Em 1975 o chanceler era Bruno_Kreisky do Social Democratic Party of Austria, de centro-ESQUERDA
      3-Maconha
      https://en.wikipedia.org/wiki/Cannabis_in_Austria
      Não achei nada de votação e/ou posição dos partidos nessa pauta, nem vou pesquisar. Só queria mostrar que em um DEMOCRACIA devemos respeitar as visões contrárias, mesmo que sejam péssimas, como as do nosso candidato da direita Jair Bolsonaro! E que como não existe somente um direita, também não existe só uma esquerda, como vocês querem fazer parecer quando dizem pra quem é de esquerda ir pra Cuba ou Venezuela (a esquerda está em todos os lugares e na Islandia é um partido ecossocialista que está no "poder"). E que a tendência é polarização sim entre PT e PSDB, entre centro esquerda e centro direita, pelo menos quando olho as eleiçoes nos eua e na europa! Hoje em dia a direita chucra tá crescendo mesmo, mas cresce usando o medo da população em relação aos imigrantes, "esquerdistas" e comunistas!
      Nick

      Excluir
  7. Existe coisa mais nojenta e escrota do que esses "políticos evanjas"???
    Parabens Irlanda pelo belo tapão na cara desses vagabundos evanjas!!!

    ResponderExcluir
  8. Que orgulho: mais um país onde "mulheres" podem assassinar crianças não nascidas. Muito mederno!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 21:39 Falou a possuidoUra de útero de ouro.

      Excluir
    2. Hahahhahahahahahahahahahahahahahahahahahahahha

      Essa foi a melhor do ano so far !!!!

      Excluir
    3. Lynda das 21:39. O aborto precisa ser legalizado justamente para evitar que pessoas como você venham ao mundo. bjs.

      Excluir
    4. As mulheres podem fazer o que quiserem, o corpo é delas.

      Excluir
  9. A diápora brasileira em Dublin é enorme. Talvez na Europa só perca pra Portugal.

    ResponderExcluir
  10. Não consigo ser a favor da legalização do aborto. É demais para mim. Outro dia, Tony Góes, disse que no bandido baleado na porta da escola infelizmente morreu. E as crianças abortadas? O infelizmente vai pra elas também? Sério, um feto é uma vida que se lamenta menos do que a de um bandido morto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ninguém gosta de abortar. Não é fácil para nenhuma mulher, e muitas desistem na hora.

      A maioria dos países que permite o aborto, é só nas primeiras 12 semanas. Acho razoável. E aqui resvalamos para a discussão de quando um amontoado de células se torna um ser humano com plenos direitos.

      A proibicão do aborto é usada como uma arma apontada para as mulheres. Repare bem: os países mais machistas, mais violentos contra suas prórpias mulheres, são os que proíbem o aborto. A mulher tem que ser soberana sobre seu corpo, decidir se vai ter aquele filho ou não. O corpo é dela. Não é de Deus, não é do feto, não é da sociedade.

      No mais, concordo com Hillary Clinton, que defende que, além do aborto legalizado, também haja muita educação sexual e muitos métodos de contracepção disponíveis. Segundo ela, o aborto tem que ser "seguro, legalizado e raro".

      Excluir
    2. O que as pessoas não entendem é que, assim como no caso da maconha e da atividade homexesual, com lei proibindo ou não, vai ter gente fazendo.

      Excluir
    3. Eu queria opinar duas coisas.
      Acho que alguns países vão ter que parar de possibilitar aborto legal pois aa taxas de natalidade estão despencando há décadas e todos estão se tornando países de velhos com suas aposentadorias e custos medicos.
      Outra coisa é que eu discordo ds Tony e dessa coisa comum de dizer que nenhuma mulher gosta de abortar.
      Gostar gostar eu acho que não mesmo, mas já convivi com várias, da familia, amigas, ex namoradas, que abortaram de boa, como uma simples consulta médica. Fui algumas vezes junto e raramente vi sofrimento. O que vi foi alívio de se livrar de um problemão.
      E todas mulheres estudadas, com dinheiro, acesso a pílula, diu etc. Mas cederam ao afã do tesão. E não quiseram arcar com consequências. E os homens que as fecundaram agradeceram aliviados também.
      Repito, sei que muitas sofrem, mas muitas usam sim aborto de forma anticoncepcional. Temos que parar se fingir que não rola dessa forma. Inclusive entre as nais pobres.

      Excluir
  11. Obrigado pela resposta, de verdade. Mesmo assim, não consigo. Sei que as camadas sociais mais pobres sao as que mais penam. Mas tem pílula do dia seguinte, dá para fazer campanha. Acho que o discurso meu corpo minhas regras já não está mais colando. Aborto não é método anticoncepcional. Não se fala tanto em empoderamento? Que tal assumir a bucha e nao fazer o caminho mais fácil? Educação é sempre o caminho, consciência, mas assumir as responsabilidades não e nada além da obrigação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 20:04 Meu se toca...camadas sociais blábláblá se você engravidasse duvido que ficaria com essas lorota...

      Excluir