sábado, 5 de maio de 2018

MODA CIGANA


Os ciganos entraram na moda de um jeito que não acontecia desde a icônica coleção de Yves Saint-Laurent nos anos 70. A série e o filme "Suburra" (ambos disponíveis na Netflix) usam com galhardia essa população marginalizada na Europa há mais de mil anos. Dois filmes recentes também penetram nesse unvierso paralelo. O mais 'high profile" é "Ciganos da Ciambra", que representou a Itália no último Oscar, e que acaba de estrear no Brasil. O diretor Jonas Carpignano resvala para aquele estilo moderninho que eu detesto, a câmera ligada a esmo que capta o que lhe passar pela frente. Mas não é que dessa vez eu gostei? A (pouca) história é centrada no jovem adolescente Pio, interpretado por um jovem adolescente também chamado Pio (sim, é esse tipo de filme). Toda a família que aparece na tela também é a família do rapaz na vida real, com nomes verdadeiros e tudo. Mas Pio se diverte e se desespera por fazer parte de uma comunidade à margem da sociedade italiana: é ótimo ter um clã barulhento onde se apoiar, mas é horrível ser tratado feito lixo pelo resto do mundo. Não é um filme para as multidões, mas quem tiver sensibilidade agucada vai gostar.


Esta semana também fui a uma cabine para a imprensa de "Se Você Soubesse", que chega ao Brasil direto no sob demanda. Trata-se di primeiro filme francês estrelado pelo mexicano Gael García Bernal, que até que não se sai mal em mais um idioma. Ele faz um cigano excluído pelos demais depois que seu melhor amigo morre em um acidente, do qual ele não teve culpa. O roteiro não segue a ordem cronológica, e às vezes é difícil entender o que vem antes ou depois. O tom sombrio também não proporciona nenhuma catarse. Mas Gael ainda é um prazer de se ver, e qualquer coisa sobre os misteriosos ciganos sempre vai me interessar.

11 comentários:

  1. E o vitimismo marca novamente presença no cinema, na velocidade 5 do créu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não viu nenhum dos filmes, né?

      Sabia.

      Excluir
    2. Defu nunca vai ao cinema! Somente a funerais!!!

      Excluir
  2. Esperando alguma milituda vir reclamar que cigano é termo perjorativo, que o certo são roma e sinti... preguiça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb estou com muita preguiça bixana escrotinha.

      Excluir
  3. às vezes eu esqueço que você é paulistano, Tony. sei que não tem haver com o post, mas por isso fiz o link...

    Acabei de descobrir que um figuraça da cidade paulistana faleceu. Luiz Antônio Gasparetto morreu de câncer no pulmão ontem. Sua mãe, a autora Zibia Gasparetto segue internada também com câncer, só que no estômago. Médium, gay, psicoterapeuta e um maluco no bom sentido da palavra era esse seu Luiz Gasparetto, viu?


    Em outra era, quando ser gay era uma barra pesada (melhoramos muito, fato!) foi uma das poucas vozes amigas que ouvi.

    Tony, sigo seu blog desde 2008 religiosamente e só agora que percebi que o "blogspot" lá do domínio desapareceu... Hahahaha.


    Outra coisa: Ryan Murphy vai lançar uma série GAY. Isso mesmo G-A-Y. Sobre ser drag queen em nova york nos anos 80. Estou ansioso. Tinha que dar uma boa notícia depois de postar a anterior né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não me sinto paulistano. Eu só moro em SP. nasci no Rio e vim para cá com cinco anos de idade. Minha turma do pré-primário me batizou de "Carioca", e fui chamado assim a infância inteira. Por isto, me sinto carioca até hoje.

      Excluir
    2. Adorava o Gasparetto no programa "Calça Comprida", alguém de lembra?

      Excluir
    3. Por favor, jamais perca o chiado carioca e as gírias cariocas. Eu sei que é difícil ficar a par de tudo quando se está longe a tantos tempo.

      Excluir
  4. Denúncia: Tony Góes é Carioca. Hahaha

    ResponderExcluir
  5. Na verdade, não é o primeiro filme francês estrelado por ele. Tem o sonhando acordado Michel Gondry https://m.imdb.com/title/tt0354899/

    ResponderExcluir