segunda-feira, 14 de maio de 2018

AQUI, AGORA E NUNCA MAIS


Descobri "Here and Now" tardiamente - talvez um pouco tarde demais. A série foi exibida pela HBO entre fevereiro e abril, mas só fui vê-la agora, quando todos os episódios já estnao disponíveis no sob demanda. E adorei, como sempre acontece com uma série nova criada pelo Alan Ball."Here and Now" tem, inclusive, um parentesco nítido com "A Sete Palmos", um dos marcos da TV na década passada. Ambas falam de famílias ligeiramente disfuncionais, com um filho gay e uma caçula rebelde. A diferença é que, no seriado mais recente, três dos quatro filhos do casal são adotivos, de raças diferentes. Há um vietnamita tão obcecado pela perfeição que resolve ser celibatário; uma africana que se ressente um pouco por não ter sido criada por uma mãe negra; e um colombiano que tem visões estranhas, talvez um sintoma de esquizofrenia. Ramon, este último, é que é o personagem gay, e é desnecessário dizer que estou apaixonado pelo ator que o interpreta, o costarriquenho Daniel Zovatto - tão lindo que faz jus ao apelido de "Baby Jesus" que tem no programa. Também há uma interessante família muçulmana, em que o pai psiquiatra tem uma ligação misteriosa com Ramon, e o filho consegue ser religioso e gender-fluid ao mesmo tempo. Ou melhor, havia: eu ainda não havia terminado de ver quando a HBO anunciou que não fará uma segunda temporada de "Here and Now". E isto apesar do último episódio terminar com todas as pontas abertas, sem resolver nada. Ou seja, já era. Mesmo assim, valeu a pena.

4 comentários:

  1. Vi quando estreou em fevereiro. Assisti o primeiro episódio, depois não lembrei mais de ver.

    ResponderExcluir
  2. A série tinha tanto potencial, é um retrato ótimo dos dias de hoje, mas ao menos anunciaram um telefilme para fechar a história, vamos ver se sai mesmo!

    ResponderExcluir
  3. Gostei de muita coisa e também não engoli muita coisa. Têm similaridades com as obras anteriores do Ball, principalmente com Six Feet Under, Tabu e Beleza Americana. Mas o maior mistério era por que o Ramón não lavava o cabelo.

    ResponderExcluir
  4. O casal gay não convenceu, foram morar juntos no segundo encontro, isso é coisa de lésbica, não de homem gay.

    ResponderExcluir