segunda-feira, 28 de maio de 2018

A GREVE QUE ASSIM É SE LHE PARECE

Em 2013, um grupúsculo de extrema esquerda, o Movimento Passe Livre, incitou as primeiras manifestações contra o acréscimo de 20 centavos nas passagens dos ônibus de São Paulo. Logo as passeatas se alastraram por todo o país, até em cidades onde não haveria aumento, e ampliaram o foco: eram contra a ineficiência dos serviços públicos, contra a truculência da polícia, contra todos os governos. Também foram cooptadas pela direita. Gente que não participava de protestos desde a Marcha da Família com Deus pela Liberdade foi para a rua, e o PT se desnorteou. Como assim, ainda existe direita? Como assim, tem quem ache que Dilma e Lula não são perfeitos? 2013 marcou a volta do conservadorismo explícito ao nosso debate político, para o bem e para o mal. Foi a única consequência concreta das Jornadas de Junho, que terminaram com os ataques dos "black blocs" que apavoraram a população. No ano seguinte, todos os políticos que eram alvo de protestos foram reeleitos.

Algo parecido está acontecendo agora com a greve dos caminhoneiros. A paralisação da categoria tem uma razão objetiva, os aumentos quase diários dos preços dos combustíveis. Com isto, fica impossível calcular o valor do frete, e os prejuízos são frequentes. Mas há algo por trás, nem tão visível quanto um cartaz num posto de gasolina: há caminhões demais. Graças aos incentivos do BNDES durante o governo Dilma, nossa frota de caminhões aumentou em 83%, muito além do necessário. O resultado é que o preço do frete caiu, porque há oferta excessiva. Mas tergiverso: o que quero dizer neste post é que este movimento também já perdeu sua razão original. Foi rapidamente encampado pelas empresas de transporte, transformando-se no famigerado locaute - a greve patronal, que só atende às necessidades dos proprietários e fode ainda mais com os trabalhadores (sem falar no restante da população). E foi lido de maneiras diferentes por todo o espectro político, que em comum só tem uma coisa: a ojeriza ao governo Temer. A direita clama por menos impostos (o que é justo) e por intervenção militar (o que é um total descalabro). Até parece que durante a ditadura a gasolina era barata... Já a esquerda, ainda traumatizada com os panelaços de 2015, choraminga que quem protestou naquela época agora está calado (o que é puro fanfic) e que no governo Dilma tudo ia muito bem (o que é caso de internação).

O que acontece agora? Na melhor das hipóteses, um movimento consciente contra a tributação excessiva. Também seria bem-vinda uma discussão adulta sobre a Petrobras: a empresa precisa ter concorrentes no refino e na distribuição, e não pode aumentar seus preços sem pensar nas consequências para a sociedade. Mas o Brasil está numa fase em que o pior prevalece. A greve dos caminhoneiros pode ter sido um presente para o Bolsonazi, que quer que o circo pegue fogo para ele surgir de bombeiro (o que é um delírio, haja vista a folha corrida do candidato). Enquanto isto, o apoio aos caminhoneiros já diminui, com a falta de combustível nas bombas e até de alimentos nos mercados. E aí, pode apostar: a interpretação desse movimento vai mudar novamente. Isto é Brasil.

47 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    É o preço que pagamos por nossa leviandade politica, burrice e covardia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estamos na ditadura 2.0. Milicos não são mais necessários para manter o controle, principalmente quando não há resistência armada. Basta juízes amestrados.

      Excluir
    2. Se a questão era tirar governo ladrão e Incompetente, o que Temer está fazendo lá até agora?
      G-

      Excluir
  2. Quase apanhei de um amigo por ter um ponto de vista bem parecido com o seu. Ontem à noite, eu sem combustível e ele com o tanque bem servido enquanto assistíamos ao Fantástico, programa que não assisto há muito tempo travamos uma discussão, claro que continuamos amigos, como tem sido nos últimos 42 anos. Muito bom o texto escrito por você, com argumentos inequívocos em relação a essa greve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quase apanhei...a delegacia do idoso está aí para nos servir (e dar canceira) amiga rsss

      Excluir
  3. Conclusão: Todo o espectro político, principalmente as suas extremidades, está louco tendo cada vez mais delírios!

    ResponderExcluir
  4. Greve com longa duração como essa é muito raro. Mostra uma clara ineficiência do Estado no jogo político e na manutenção da ordem.
    Países europeus, vira e mexe, afundam no caos por causa de greves de grande porte (principalmente a França). Porém, elas costumam durar pouco tempo. Em ou ou dois dias, a coisa se resolve.
    Já nos EUA e China, greves desse tipo nem sequer são pensadas...

    ResponderExcluir
  5. E em outubro vamos eleger todos eles de novo.

    ResponderExcluir
  6. O que eu acha mais doido nisso tudo é os grevistas que pedem intervenção militar já. Eles não sabem qual é ação padrão de um governo militar tem sobre um grupo de grevistas que ameaça a sobrevivência da nação? Definitivamente o brasileiro sadomasoquista...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 14:57 Sadomasoquista...Não é só ignorante mesmo.

      Excluir
    2. disseram que o temer era um ditador quando ele "mandou" o exército. É ignorância e esquizofrenia juntos. Ah, antes era mesmo turminha que dizia que quem faz greve é vagabundo.

      Excluir
  7. Sobre o texto na coluna do F5:
    Os filhos podem ter se matado ou entrado no mundo das drogas porque não suportaram o fardo de o seu pai abusar de sua irmã.
    Duas coisas estão certas: tanto Woody quanto Mia são extremamente problemáticos e a carreira dele já escoou pelo ralo.

    ResponderExcluir
  8. O que quis dizer no outro comentário é: Porque os filhos terem se matado ou entrado no mundo das drogas é sintoma de uma mãe ruim e não de um pai ruim? Jogar a culpa de filhos que não deram certo somente na mãe não seria machismo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses filhos que morreram não eram adotados por Woody Allen. Ele e Mia Farrow jamais moraram juntos: era cada um no seu apartamento. Então, é difícil jogar a culpa pela criação desses rapazes, que foram adotados por ela bem antes de namorar Woody.

      Excluir
    2. Ah.. Agora entendi o seu ponto de vista.

      Excluir
    3. A mia farrow botou um chifre enorme nele...o filho deles é a cara do frank Sinatra! Essa mulher deveria ficar na dela..pedofilo o cara nao é pq normalmente eles sao recorrentes e nao a nenhum tipo de denuncia contra ele a nao ser da ex mulher trocada,deu para entender ou quer desenhe Timao!

      Excluir
    4. 19:26 Pode desenhar sim. Se isso for deixar as ideias mais claras é bom que desenhe mesmo. Quando as pessoas não entendem um discurso, a culpa não é das pessoas e sim de quem está discursando que não soube ser didático.
      E não sei, alguém que se junta com uma mulher assim e ainda de casa com a filha adotiva dela, normal tb não é.

      Excluir
  9. Nas favelas, no Senado
    Sujeira pra todo lado
    Ninguém respeita a Constituição
    Mas todos acreditam no futuro da nação
    Que país é esse?

    ResponderExcluir
  10. Os protestos d 2013 poderiam ser um ponto d mudança positiva,simbolo d conscientizaçao mas olha como estao as coisas hj...tudo deu errado...tanto q tem gnt q apoia bolsonaro e mtos q querem ditadura.

    ResponderExcluir
  11. Incrivel como tudo deu errado d 2013 pra cá..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque antes tava lindo, claro, com o nine fudendo todos por trás e fingindo de divindade.

      Excluir
    2. 16:19 O Brasil, a meu ver, vem dando errado desde 1500.

      Excluir
  12. A gente deveria ter ouvido o Barão de Mauá qnd disse que o golpe da república seria um erro fatal

    ResponderExcluir
  13. Em 1972 greve de caminhoneiros paralisa o Chile; desabastecimento era parte do plano executado pela CIA para iniciar a ditadura Pinochet: pode ser que o império não esteja querendo correr o risco de eleições no Brasil 2018.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 16:27 As crianças que comentam aqui só conhecem o mundo a partir da Venezuela de Maduro.
      Não diferem Allende de Pinochet e Chico ou Victor para eles são lixo...

      Excluir
  14. Abram os olhos! Assim como as passeatas contra 20 centavos foram utilizadas para derrubar uma presidenta, uma greve de caminhoneiros pode ser usada para se evitar eleição!

    ResponderExcluir
  15. Será que o Temer será fuzilado quando o exército entrar no Planalto? Ou falarão que ele suicidou-se?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 16:34 Bastaria levá-lo algemado pelo Eixo Monumental.

      Excluir
  16. Até quando vamos viver com medo dos militares???? Desse jeito é melhor acabar com as forças armadas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que militar tem uma função, amigão...

      Excluir
    2. Isso mesmo. Lembrando da música, cada um no seu quadrado! Não sou contra a PM, nem contra exército. Mas eles tem uma função e NÃO é governar!

      Excluir
  17. Concordo em partes. Para mim, começou como locaute , visto o pouco uso da força (PM, exército, etc). Depois os patrões/governo viram que era impossível segurar o "gigante", que parece ter acordado de novo! Até tomar chá de camomila novamente!
    Nick

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 20:36 Hahahaha As análises que os palavrórios doentios da DeFu (desaparecida nessas horas e outras que lhe convém) jamais alcançam.
      G-

      Excluir
  18. Nick. Pelo que vejo, nem os militares (pelo menos os seus principais líderes) querem o poder. Se o quisessem já o teriam. Doidos como General Mourão, que falou merda uma duas vezes, são geralmente dispensados para a reserva como ele foi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também já pensei nisto! O exercito deve ter um departamento de inteligência que deve informá-los que uma Revolução (como eles gostam de se referir aos GOLPES que dão) hoje não teria cabimento e seria pior para a própria instituição!
      Nick

      Excluir
  19. Em suma, 2013 pariu o MBL, nascido em 2014. Deu fogo ao Escola Sem Partido. Tirou a Dilma do poder. Colocou o Temer no poder. Fodeu o Brasil em todos os sentidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 13:01 Elas detestam a constatação desse fato.

      Excluir
    2. gaslighting como forma de opressão política, os "protestos"de 2013 foram armados e não resultaram em NADA, os planos de tirar a esquerda do poder, principalmente a Dilma, que baixou juros vem de antes disso.

      Excluir
    3. João, eu concordo que só deu m* de 2013 para cá. Acho que todo mundo concorda. Mas os protestos de 2013 não surgiram do nada. Pensa um pouquinho quem é que estava no comando do país há muuuuito tempo, e que como tal era o alvo principal da insatisfação popular. Pois é.

      Excluir
    4. Até porque tava tudo lindo com Dilma, praticamente uma Holanda.

      Excluir
    5. Anônimo, os protestos de 2013 começaram com demandas locais, relativas ao município e ao estado de São Paulo. As pessoas estavam putas com questões federais, também, mas não deixaram de criticar os entes federados. A mídia (e outros grupos) deturpou tudo e transformou os protestos extremamente excêntricos em manifestações exclusivamente anti-Dilma. Basta ver as capas dos jornais daquele ano. Oposição tem que ser feita de forma responsável.

      Excluir
    6. 14:41 Aqui não é lugar para razão é lugar para paixão de preferência fascista.

      Excluir
  20. sugiro a greve dos youtubers e blogueiros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. esta greve deveria ser para sempre

      Excluir
  21. Canseira deste povo, quando fala em política, lota tudo de comentários e blá blá blá blá.

    ResponderExcluir
  22. Tudo bem, bem escrito, umas quebradinhas à direita, mas peca, por deslize intencional ou não, quando afirma que "Graças aos incentivos do BNDES durante o governo Dilma, nossa frota de caminhões aumentou em 83%, muito além do necessário." Não foi.
    Vou dar o crédito de boa fé, acreditando que o articulista quis se referir a TODO o período petista (Lula+Dilma), aí, sim, segundo os números do RENAVAM, saiu-se de 1.723.637 em dezembro de 2002 para 3.239.884 unidades em dezembro 2015 (caminhões+caminhões-trator). Bem aquém do crescimento do PIB de USD 508 bi para USD 2,6 tri a que chegou em 2011.

    ResponderExcluir