segunda-feira, 26 de março de 2018

VIAGEM AO FUNDO DA MEMÓRIA


Acho que demorou demais um filme sobre Jacques-Yves Cousteau. O comandante do "Calypso" era figurinha fácil na TV até os anos 80 - trechos de seus programas eram exibidos pelo "Fantástico". Só que ele morreu há duas décadas, e a garotada de hoje talvez não faça ideia de quem foi essa grande mistura de cientista e "entertainer". Cousteau desvendou os oceanos para a minha geração; aliás, foi além. Depois de navegar por todos os mares da Terra, ele adentrou pelo rio Amazonas e descobriu inúmeros segredos da floresta. Pena que essa aventura brasileira não faça parte de "A Odisseia", seu biopic. O roteiro é meio irregular, mas JYC (como ele era chamado pelos íntimos) surge como um idealista generoso, com ótimo senso de marketing e pouco apreço pelas finanças, além de um mulherengo contumaz. Aos 60 anos, Lambert Wilson está com um corpalhaço nas cenas de maiô, e a vozinha de Audrey Tautou me irritou um pouco quando sua personagem envelhece. Mas o melhor do filme, além do Pierre Niney, é o visual deslumbrante, com paisagens que vão da Antártida ao fundo do mar. Viajei bastante, até para a minha infância.

2 comentários:

  1. Mas e aqueles boatos de que ele não era tão amante da natureza assim?

    ResponderExcluir
  2. Waiting for Costeau...

    ResponderExcluir