quinta-feira, 29 de março de 2018

SAWASDEE

Esta é a segunda vez que eu venho à Tailândia. A primeira foi em julho de 1978, quando dei a volta ao mundo com a minha avó maluca: passamos 24 horas em Bangkok, então não é como se eu conhecesse a cidade como a palma da minha mão. Aliás, não conheço mais nada, porque mudou tudo. Quarenta anos depois, o aeroporto é outro, as vias expressas, os prédios. Estou me liquefazendo depois da viagem mais looonga de todos os tempos, mas inteiro. E é bom estar exausto a esta hora (já são 1h40 da manhã), assim eu vou dormir e já entro no fuso daqui. Fique então com meu cordial sawasdee, a saudação que os thais usam para tudo.

23 comentários:

  1. bangkok é uma das cidades mais incríveis que conheci. linkei meu blog caso queira dicas

    ResponderExcluir
  2. Vc vai pra Phuket ou Chiangmai?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Arrasa! Só fui pra Pucket! Chiangmai irei

      Excluir
    2. Vc vai ver algum show de sexo? Risos!

      Excluir
    3. De sexo não sei, mas claro que queremos ver os lady boys.

      Excluir
    4. Não perca os bares com shows de ping pong! :)

      Excluir
  3. Boa sorte! Entrar no fuso horário do outro lado do mundo é uma complicação. Geralmente quando você começa a acostumar já tá na hora de voltar. Hahahahaha! Isso sem falar que é um caos tentar manter a comunicação com o povo daqui...

    ResponderExcluir
  4. Ah. Uma pena que, estando ai, vc vai perder o evento do ano (mais impactante que a copa e as eleições...). Como pode fugir para o outro lado do mundo logo na semana de estreia do filme do bispo. Que sacrilégio...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que ele está longe deste paiseco, não vai perder nada!!!Quisera eu estar longe daqui e nem tomando conhecimento, ele fez e muito bem!!!!

      Excluir
  5. Ter uma avó com espírito para fazer e condições para bancar uma volta ao mundo naquela época não é para qualquer um. Depois ainda dizem que os indianos estão errados e que os humanos não são divididos em castas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe uma diferença entre o sistema de castas e o nosso. Minha vó semi-alfabeta jamais teria condições de me levar a uma volta ao mundo. Porém, eu através do meu esforço e estudo tenho condições de levar os meus netos para conhecer o mundo. Num sistema de castas isso não acontece.

      Excluir
    2. Também concordo, uma dádiva viajar com a avó e ter este espírito aventureiro.

      Excluir
    3. 10:27 Não, meu amor, você j.a.m.a.i.s será capaz de oferecer a seus netos uma experiência sequer semelhante a essa que a "avó maluca" proporcionou a Tony. Nem você, nem qualquer um de seus descendentes, pois transcende a mera questão física de bilhetes aéreos, ou reservas em hotéis. Não confunda classe social com casta em seu sentido mais profundo. Simplesmente aceite.

      Tamo junto aqui na geral!

      xoxo

      Excluir
    4. Isso mesmo 17:05 Neymar que o diga!

      Excluir
    5. E deixa dr querer ficar bancando a lacradora. Isso mostra que vc é de uma casta bem baixa...

      Excluir
  6. A cidade mudou tremendamente entre duas visitas que eu fiz - 2001 e 2007 - e, segundo dizem, depois disso mudou muito mais ainda. Estas grandes cidades da Ásia têm, para o bem e para o mal, uma dinâmica com a qual nós só podemos sonhar por aqui. Aproveite!

    ResponderExcluir
  7. O mMio Babbino Caro
    Que tipo de filme daria, um garoto dar uma volta ao mundo com uma Avó maluca rsssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comédia, drama ou aventura rsss

      Excluir
  8. Tá viajando com o marido? aproveite suas férias...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, maridão veio junto, e mais um monte de amigos.

      Férias em termos: continuo fazendo daqui as colunas e o blog... Vida de freelancer. Não trabalha, não ganha.

      Excluir