sexta-feira, 9 de março de 2018

PRIME STRESS

Assinei o PrimePass em junho do ano passado. O aplicativo me pareceu uma maneira excelente de economizar. Escolhi o plano de 99 reais por mês, logo reajustado para 109, que dá direito a um filme por dia, todo dia, em um monte de salas. Como eu vou muito ao cinema e não são em todos que eu pago meia, o negócio era para lá de atraente. Só que... Para começar, o aplicativo não funciona direito. Ele precisa ser aberto na porta do cinema para liberar o ingresso, mas quem disse que carrega rápido? Perdi a conta das vezes em que o troço simplesmente não abriu. Além do mais, a rede credenciada vem diminuindo a olhos vistos. Aqui em São Paulo, já saíram a Reserva Cultural, todo o Kinoplex e o Cinemark e até a minha sala favorita, o Cinearte do Conjunto Nacional. Para completar, o atendimento - que antes podia ser telefônico e agora é só via Facebook - só vai até as 18h. Se o cliente tiver algum problema depois desse horário, como eu tive hoje, não há ninguém para resolver. Assim, depois de muito ameaçar, finalmente cancelei meu cartão PrimePass. Não vou a cinema para me estressar. Continuo achando a ideia maravilhosa. Volto quando ela der certo.

5 comentários:

  1. gata, a senhora é rykah - não precisa de ajuda de custo - ahaza na pipoca e nos combo que a gente sabe. nau dá o migué não!

    ResponderExcluir
  2. Tony, fale sobre o torcedor do Palmeiras que denunciou homofobia nas torcidas e depois descobriram tweets dele chamando sãopaulinos de bambis e ele se defendeu dizendo que ele evoluiu. Por quê então, ao denunciar a homofobia, ele não se usou primeiramente como exemplo de quem, sendo gay, era tbm homofóbico?

    ResponderExcluir
  3. Atendimento só via Facebook? E quem já se livrou dessa droga faz o que? Isso, muito provavelmente, fere o código de defesa do consumidor.

    ResponderExcluir