segunda-feira, 12 de março de 2018

O FANTASMA DO CONTROLE DE ARMAS


Uma família que enriqueceu fabricando armas de fogo é assombrada pelos espíritos das vítimas de seus produtos. A premissa de "A Maldição da Casa Winchester" parece propaganda forçada pelo controle de armas nos Estados Unidos, não fosse por um pequeno detalhe: é baseada em uma história real. Sarah Winchester, viúva do fundador do maior fabricante de rifles do mundo, tinha certeza de que estava sendo perseguida por fantasmas vingativos, e passou as últimas décadas de sua vida construindo uma interminável mansão em São Francisco. Queria ter dezenas de aposentos para, em cada um deles, aprisionar um dos espectros que a ameaçavam. Os produtores do filme ainda tiveram a sorte de lançá-lo no momento em que a opinião pública dos Etsados Unidos está se voltando contra o NRA, o poderoso lobby pró-armas. Mas nem a conjuntura astrológica favorável, nem Helen Mirren carregando nas tintas sombrias, fazem de "Winchester" um bom filme. Não dá para construir um clima de pavor com tantas cenas à luz do dia, e uma casa em obras não convence como assombrada. Se o timing foi perdido, fica o recado: controle de armas já.

22 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Combatendo o bom Combate.
    Controle de armas já!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. O horror! Será que os 60 mil pobres que morrem todo ano assombram os rentistas brasileiros em Miami? E a minha vida que foi destruída por causa do golpe

    ResponderExcluir
  3. É impressionante como depois de tantos casos eles não controlam as armas. Quantas crianças mais tem que morrer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 11:08 The answer, my friend, is Blowin' in the wind.

      Excluir
    2. 11:08 Morrem muito mais crianças no Brasil pela incapacidade de seus pais defenderem-nas de facínoras. Pois é, números não se rendem a ideologias.

      Excluir
    3. 16:11Gente!!!
      Nick pfv orienta essa donzela!

      Excluir
    4. E pais no Brasil defendem crianças de algo. Estão é no celular, isso sim!
      Nick

      Excluir
    5. O Nick não me decepcione, as crianças que morrem no Brasil nem "pai" tem, todos sabem por quem elas são mortas (daí a inocente donzela), além das balas "perdidas" é só olhar que crianças são essas que assim morrem.

      Excluir
  4. Facinho controlar arma de cidadão do bem. Queria ver controlar arma de bandido. Estou falando do Brasil pois caguei pra América e seus draminhas.

    ResponderExcluir
  5. Controle de armas é um termo meio genérico e um debate amplo. Me parece que alguém ter uma arma automática como no USA ou um rifle militar é uma deixa para tragédias.
    Mas o cidadão ter uma arma curta, com exigências de treino, avaliação psicológica, entrega da arma depois de um período de carência de tempo para evitar algum ato intempestivo, não me parece nenhum absurdo. Não tenho arma e nem pretendo, mas existem países extremamente armados legalmente (percapta) com índices de homicídios muito baixos.
    Educação é sempre o primeiro caminho, mas a população também tem direitos além dos deveres e o estado não pode se sobrepor toda vez ao indivíduo simplesmente proibindo. Aliás, os que proíbem têm segurança armados, nénão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 12:45 A princípio isso já é feito.

      Excluir
    2. O porte de arma é proibido no Brasil, ninguém pode andar com uma arma no carro, por ex.. Nos USA em alguns estados vc pode comprar quase qquer arma ou comprar um kit que emula uma arma comum em arma automática.
      Então, a princípio, isso não é feito não.

      Excluir
  6. Tony, aproveitando o tema "social" do post, que tal uma discussão sobre as novas modalidades de tratamento do SUS, como a "imposição pelas mãos" que será usada para transferir energia ao paciente... com o nosso dinheiro? É golpe da bancada evangélica, sim ou com certeza?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, o assunto é bom e eu gostaria de ler mais sobre ele. Mas não me sinto informado o suficiente para emitir opinião neste momento.

      Excluir
  7. Tony, uma dúvidazinha, Roberta Miranda processar porque disseram que ela tem romance lésbico não é esquisito, partindo da premissa de que ser gay seria algo normal? Em que a pessoa estaria difamando ao falar que a pessoa seja algo natural (mesmo ela não sendo)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não estava sabendo dessa história. Acho equivocada a atitude da Roberta, até mesmo contraproducente. Mas o público dela é bastante conservador, e ela mesma jamais empunhou bandeira nenhuma. Agora, também tem que ver se quem falou nnao tinha mesmo a intenção de difamar. Boa parte do Brasil ainda acha que ser gay é uma desonra.

      Excluir
  8. Controle de armas: o fetiche da esquerda totalitária que PRECISA desarmar a população para impor suas regulações, expropriações e controles de toda sorte e engenharias sociais, sem qualquer possibilidade de reação do rebanho humano-bovino. Foi assim na URSS, em Cuba, e até na recente derrocada venezuelana.

    "Ain, mas precisamos precisamos conter a violência, ain."

    Qualquer um sabe que os números da violência caíram nos EUA, nos últimos dez anos, exatamente após o aumento da venda de armamentos. Já no Brasil, os estados com maiores índices de violência são aqueles que possuem MENOS armas legalizadas. A burocracia estatal é fisicamente incapaz de defender a todos, em todos os pontos, a qualquer tempo; a autodefesa é e sempre foi o caminho mais curto para a segurança pessoal.

    Mas os esquerdistas não se rendem aos fatos. Precisam criar factoides para vender suas pautas. O patrão deve pagar bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 16:08 ta muito fisurada na esquerda . Vai curar essa tara

      Excluir
    2. São as OBTUSAS de plantão!
      Como que se alguém realmente de esssssssssquerda iria perder tempo para bater nesses ferros frios direitosos daqui. O ambiente aqui é outro meninassss.

      Excluir
  9. Vou usar uma frase emprestada do Leandro Narloch: "Na dança de estatísticas sobre armas de fogo e criminalidade, cada um escolhe os dados que sustentam a própria opinião"

    ResponderExcluir
  10. Outro dia eu assisti um documentário sobre a vida do Mariel Mariscot. Ele foi parceiro da Rogéria e andava de mãos dadas com ela nas ruas do Rio. Mesmo assim sempre foi considerado um ícone da figura do macho e sua sexualidade nunca foi contestada. Um símbolo de virilidade que combatia o crime com unhas e dentes. Um cabra macho de verdade. Achei muito intrigante essa história. A vida é um mistério.

    ResponderExcluir
  11. Filme péssimo, os filmes do trailer estavam melhores haha

    ResponderExcluir