sexta-feira, 16 de março de 2018

I'LL NEVER BE MARIA MAGDALENA


Nunca fui público para filmes religiosos. Vi pouquíssimos ao longo da vida, e o único de que realmente gostei foi "A Última Tentação de Cristo", de Martin Scorsese. Mesmo assim, quis ver "Maria Madalena"por causa do currículo dos envolvidos. O diretor é Garth Davis - o mesmo de "Lion", indicado ao Oscar do ano passado. No papel-título está Rooney Mara, e o chato do Joaquín Phoenix faz o Jesus mais antipático da história do cinema. Mas este é o menor dos problemas. Davis fez um filme tão chapa-branca que parece encomenda do Vaticano. A paixão de Cristo do ponto de vista de sua mais famosa apóstola não traz nada de novo. Nem a blasfêmia de um namoro entre os dois, ou a lenda de que Madalena teria sido prosituta. Só um leve viés feminista. O mais interessante mesmo é a versão da história de Judas, interpretado pelo lindo ator francês Tahar Rahim. Aqui o traidor é o mais entusiasmado dos discípulos, que só trai o mestre para forçá-lo a se revoltar contra os romanos. Mas é pouco para compensar a lentidão ou o design de produção caretaço (Jesus é crucificado com um longo pano branco enrolado na cintura, um pudor tolo). Heresia: prefiro a Madalena do "Código Da Vinci".

4 comentários:

  1. vi o título do post e fiquei com aquela música chatinha na cabeça!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. You’re a creature of the night

      Excluir
  2. Quando falo de religião gosto de me distanciar do que o cristianismo ou qualquer propagou.

    É QUASE IMPOSSÍVEL SER RELIGIOSO E FAZER PARTE DE UMA RELIGIÃO ORGANIZADA. Mas, apenas ser religioso, sem fazer parte de qualquer religião é a coisa mais simples.
    Para mim, religiosidade significa uma gratidão para com a existência. Ela lhe deu tanto que não há como você reembolsá-la.

    ResponderExcluir
  3. As religiões fizeram um grande negócio – o maior de todos – e negociam uma mercadoria que é invisível; assim, você nunca poderá provar se eles a entregam ou não. A mercadoria em si é invisível. É um belo jogo.

    Os padres, pastores etc.. não são necessários, de maneira alguma. Eles continuam propagando que são necessários, enfatizando que sem eles não há possibilidade de você entrar algum dia no mundo de Deus, mas esta é a proposição deles. Esse é o negócio deles, seu comércio secreto; eles têm de criar essa atmosfera.

    Perceberam? O padre , pastor etc irá explorá-lo; ele se torna seu advogado, seu agente, e apenas o explora. Ele próprio está completamente inconsciente de Deus .

    ResponderExcluir