segunda-feira, 26 de março de 2018

DORIA EM MAU ESTADO

Não votei em João Doria e nunca gostei de seu estilo espalhafatoso. Mas achei que ele iria tomar pelo menos alguma medida de impacto logo em seus primeiros meses na Prefeitura, nem que fosse para gerar factóide nos jornais. Que nada: mordido por um enxame de moscas azuis, o alcaide recém-eleito deu as costas para a cidade e começou a viajar pelo Brasil logo após a posse, na esperança vã de se lançar à Presidência. Não rolou, mas Doria não desistiu. E já é candidato ao governo do estado de São Paulo, razão pela qual terá que deixar o cargo de prefeito em abril. Só que eu duvido muito que as coisas sejam tão fáceis para ele como foram em outubro de 2016. Doria não é mais a novidade absoluta, nem tem uma folha de serviços para exibir. Além do mais, deve ser grande o número de gente que votou nele e que agora, se sentindo traída, não votará mais. Desconfio que  o domínio do PSDB sobre SP nunca esteve tão vulnerável. Acho ruim não: passou da hora de termos alternância no poder. Fora que, se Doria perder esta eleição, talvez esteja liquidado. Tadinho...

15 comentários:

  1. Tony... Acho que você está subestimado (ou seria, superestimando?) o cenário político paulista. Doria ainda tem uma legião de fanáticos e a cidade ainda não se recuperou da terra arrasada do Haddad. Daqui para frente, havendo melhora econômica e com a polarização por conta das eleições, haverá espaço para o Doria crescer... A traição de abandonar o cargo pode virar falta de opção e depois redução de danos. Veremos...

    ResponderExcluir
  2. Dória é o candidato anti-PT. Isso já basta para ganhar no Brasil, ainda mais em SP.

    ResponderExcluir
  3. O Mio Babbino Caro
    Todo Paulistano sabe que a administração Haddad, foi no mínimo regular e ele, simpático.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 17:23 NUNCA, JAMAIS, EM TEMPO ALGUM, use vírgula entre sujeito e predicado. Brasil, pátria educadoUra.

      Excluir
    2. AMÉM 21h09. Vamos torcer para que a Babu te ouça.

      Excluir
    3. Babuina acha que gramática é opressão do homem branco.

      Excluir
    4. ...Muito além de uma vírgula entre um sujeito e um predicado.

      Excluir
  4. Ele teve um factoide no início: Se vestir de Gari. Eh acho que ele é o típico político, vive numa realidade paralela e não tem a mínima idiea do que o povão necessita ou pensa.

    ResponderExcluir
  5. O problema da tal "alternância e poder" é que querem trocar a esquerda light do PSDB pela extrema-esquerda, pois não há, que eu saiba, nenhum candidato de direita ao governo estadual, que seja viável, por enquanto.

    Todos sabemos como andam MG e RS, que se afundaram em dívidas durante suas experiências "progressistas". SP ainda paga seus funcionários em dia, está com as contas relativamente saneadas, a segurança pública é um exemplo para o resto do país e não há nada de muito relevante que a imprensa (invariavelmente vermelha) possa dizer de absolutamente grave contra Alckmin.

    Às vezes, o melhor a fazer é deixar tudo como está.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Psdb extrema esquerda light?
      Peraí que deu bug aqui.
      Psdb foi esquerda por um dia, talvez no dia da sua fundação. E só. Depois disso passou a andar de mãos dadas com todos os da direita.
      E nada pode ser extremo e light ao mesmo tempo.

      Excluir
    2. Acho que o 20:55 é traficante de drogas. Deve fumar uns” bagulhos loucos “e posta os delírios aqui pra gente ficar com vontade de comprar o” bagulho louco” dele. Diz logo aonde está a maloca pra gente ir lá.

      Excluir
    3. 9:50 só pode ser um analfabeto. Misturou tudo e acusou o outro pela sua incapacidade de ler um texto que eu achei bem claro:

      "querem trocar a esquerda light do PSDB pela extrema-esquerda"

      Eis o nível da comunistada tupiniquim...

      Excluir
  6. A questão que no Interior de São Paulo onde se concentra mais da metade do eleitorado o PSDB é muito forte.

    ResponderExcluir
  7. Deixa o home trabaiá. João Doria lá. Olha, rimou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada.

      Excluir