sábado, 17 de fevereiro de 2018

ACENDE O FAROL

São Paulo é uma cidade carente de atrações turísticas e qualquer novidade costuma arrastar multidões. É o que está acontecendo com o Farol Santander, o centro cultural recém-inaugurado em um dos prédios mais icônicos da cidade: o Altino Arantes, mais conhecido como "Banespão". Inaugurado em 1947, ele já nasceu velho: seu estilo art déco, que emula o Empire State Building de Nova York, estava totalmente ultrapassado depois da 2a. Guerra Mundial. Mas, com apenas 26 andares, parece mais alto do que de fato é, talvez porque se pareça com a imagem mental que temos de um arranha-céu. Agora virou uma espécie de museu que proporciona "experiências" e deve ficar bem legal quando estiver pronto. Ainda não está, mas isto não impede o banco de cobrar ingresso e criar mais onda para entrar do que na Última Ceia.

Apenas alguns andares estão abertos à visitação. As salas da diretoria do Banespa foram preservadas, com pesados móveis de madeira escura, e é espantoso ver como o gosto dos banqueiros era ainda mais antigo que a arquitetura do edifício. Só duas exposições estão funcionando: a de Laura Vinci é uma bobagem, a de Tundra é para deitar no chão e ficar viajando. Depois, é se extasiar no mirante com a vista de uma das cidades mais feias do mundo, onde cada construção bonita é anulada por outras dez pavorosas. O Santander quer se firmar como patrono das artes, mas o episódio Queermuseu revelou uma empresa covarde. O Farol talvez ajude, só que pelo jeito ainda vai demorar.

9 comentários:

  1. Ôh. Antes para subir no mirante era de graça. Agora virou pago, eh?

    ResponderExcluir
  2. "O Santander quer se firmar como patrono das artes, mas o episódio Queermuseu revelou uma empresa covarde." Depende do ponto de vista. Para a imensa maioria de seus clientes e investidores, o Banco agiu de forma adequada, quando confrontado. Degradação e desrespeito à fé alheia não é arte. Jamais será.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Degradação e desrespeito podem ser arte, sim, senhor (embora as obras do Queermuseu não tivessem nada disso). E quem não entende isto não pode se meter a mecenas.

      Ah, e pelo jeito você é um asno.

      Excluir
    2. Depende do ponto de vista. Para a imensa maioria dos críticos especializados, é arte. Mas tem sempre gente que nunca visitou uma exposição ou museu que tem opinião diferente.

      Excluir
    3. 14:25 maioria dos críticos especializados formados pelos manuais da esquerda. Beijos de luz.

      Excluir
    4. Mal frequetaramnuma escola, onque dizer de museus....
      E ainda vem bancando de criticis de arte!!
      Realmente são poucos leões para tantos cristãos!!!

      Excluir
  3. Tony não aceite meu último comentário por favor.


    Foi só um comentário sobre o tom da escrita e acho que os outros leitores podem achar que estou querendo criar polêmica.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas somos doidos, mas nem tanto. Tá uns dois ou três vivem alucinados na extrema esquerda ou direita, mas a maioria (na maior parte do tempo) é de boas...

      Excluir