sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

O LÍDER DA PORRA TODA


Perdão, Timothée Chalamet. Você tem todo o meu amor, mas não vai ter o Oscar. Pelo menos, não neste ano. Já devem estar gravando o nome de Gary Oldman na estatueta, porque a performance dele como Winston Churchill em "Destino de uma Nação" é tipo Liza Minelli em "Cabaret": não tem para ninguém, já ganhou tudo, vai entrar para a história. Dezenas de outros atores - inclusive bem mais parecidos com o ex-primeiro ministro britânico - encarnaram Churchill, mas Oldman faz a gente esquecer que estamos vendo uma atuação. Verdade que ele tem muita ajuda de um trabalho impecável de maquiagem, que deu às suas bochechas falsas a textura exata da pele de um idoso (pelos padrões de 1940). O filme em si é o lado B de "Dunkirk": mostra o que estava acontecendo nos centros do poder em Londres enquanto os soldados ingleses eram cercados pelos nazistas no norte da França. Quem for esperando ver cenas de batalha vai sair frustrado, mas fãs de séries tipo "The Crown" irão se deleitar. Churchill era esnobe, ranzinza, algo escatológico e já meio matusquela, mas era um Líder com L maiúsculo. Que sorte não estarmos em guerra, porque não tem ninguém parecido com ele nos dias de hoje.

9 comentários:

  1. Gente, enfim chegará para este grande ator o Oscar? Parece mesmo. Ele está com tudo, não tem grande concorrência e ainda por cima interpreta Winston numa pegada para lá de perfeita. Gary Oldman é ator de imenso calibre. Versátil da porra, talentosíssimo, mas sem grandes oportunidades para papeis a seu nível. Chegou a ser indicado em 2013 por "O espião que sabia demais". Entre os indicados era o melhor, mas perdeu a estatueta para Jean Dujardin, que ganhou naquele espirito bem Oscar de momento para um ator que não passa de um mediano bem insosso. Mas taí, Oldman ganhou um papel à altura dele. Pegou e arrasou. Caso Gary leve o Oscar, Quando enfim chegará o dia de outra grande esnobada pela Academia levar o dela? Falo de Glenn Close, né amores. Já disse, reitero, Glenn não ter Oscar é criminoso (kkk) e atesta que a Academia premia mais por marketing que por mérito. E Tony, na disputa por atriz este ano, quem você acha quem tem melhor chance? Saoirse Ronan, que tem a seu favor ser jovem, qualidade primordial para se premiar atrizes desde os anos 2000, ou a veterana Frances McDormand?

    ResponderExcluir
  2. Fe lo me nal. Merecido mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Entre os indicados era o melhor, mas perdeu a estatueta para Jean Dujardin, que ganhou naquele espirito bem Oscar de momento para um ator que não passa de um mediano bem insosso.FALA MAL DE FRANCÊS NÃO, a Tonyah te dá UM HADOUKEN

    ResponderExcluir
  4. Dizem que ele estuprava meninas e era um chato. Alguém acha sério mesmo que o mundo seria pior se a Alemanha tivesse ganhado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hã? A Alemanha nazista, que matava judeus, ciganos, deficientes físicos e homossexuais? Ponha-se daqui para fora, seu porco.

      Excluir
    2. Tony, voce como mediador do blog tem que tomar cuidado com “flamers”... pareceu isso na pergunta do anonimo

      Excluir
    3. 07:48 os Nazi perderam totalmente a vergonha de serem Nazi, mesmo se viados.

      Excluir
  5. Achei aquele Lady Bird sessão da tarde e bem chatinha. Mas a atriz é boa. Mas o filme está superestimado nessa onda feminista.

    ResponderExcluir
  6. Somos um país de baixo capital humano. Tudo aqui é de baixíssima qualidade: ética e cidadania, políticos, juízes, jornalistas, mídia, médicos, educação, universidades... não temos excelência em absolutamente nada.. nem mais numa coisa ordinária como futebol.. Por muito menos que uma agressão nazista, a elite brasileira ajoelha, arreia as calças do Tio Sam, faz um boquete e ainda engole. Cada povo tem os governantes que merecem. E merecemos ser a Maior Republica de Bananas do Mundo. As cores da bandeira mereciam ser ressignificadas: o amarelo das bananas e o verde do capim.

    ResponderExcluir