domingo, 7 de janeiro de 2018

AGIR PARA CIMA


Estive na parada gay de Nova York de 1989, ano em que o Act Up veio com tudo, e tenho até hoje a camiseta "Silence = Death" que comprei naquela viagem. O mais barulhento grupo ativista da época braba da AIDS é responsável por milhões de vidas, que continuaram graças à pressão que ele fez sobre governos e laboratórios há mais de 20 anos. Mas só agora ganhou um filme à altura, "120 Batimentos por Minuto", que venceu o Grand Prix do último Festival de Cannes e foi selecionado pela França para tentar uma indicação ao Oscar (mas não ficou entre os nove selecionados). O diretor é Robin Campillo, que fez o excelente "Eastern Boys". Gostei tanto daquele filme que minha expectativa para este subiu demais. Achei a narrativa um teco convencional, e só a última cena me convenceu de que eu estava diante de uma obra de arte. Claro que o filme tem momentos emocionantes, porque boa parte daquela garotada já está doente e nem todos chegarão até o final. Mas o roteiro evita o grande problema da AIDS como assunto para a dramaturgia, porque até os anos 2000 só havia um desfecho possível para as histórias. Campillo capta a raiva e a angústia de uma geração ceifada assim que começou a transar. Eu faço parte dela, e só não morri por duas razões: 1) eu era travado e transava pouco; e 2) eu tive uma puta duma sorte, porque transei e até namorei com caras que não estão mais entre nós. De qualquer maneira, "120 Batimentos por Minuto" é obrigatório, principalmente para as novinhas que acham que a lacração começou com elas e que o mundo sempre foi um imenso aplicativo de pegação. Para que elas hoje vendam saúde, muita gente agiu e deu a cara a tapa e morreu. Respect.

20 comentários:

  1. Eu tb posso dizer que tive muita sorte!!!! Vivemos situações identicas Tony! Foi muita sorte mm!!!
    Na época estavamos completamente engajados na luta contra AIDS, quantas e quantas passeatas, demonstrações, piquetes organizados e direcionados a políticos, organizações e etc..., festas para angariar fundos, reuniões, enfim, you name it!, la estavamos nos na batalha!!!
    Hoje em dia quando topo com as cruacas que vem aqui e comentam as merdas de direita, sinto que de certa forma perdemos nosso precioso tempo pra abrir e tornar mais fácil o caminho pra essas cruacas novas, que desânimo! Enfim a gente bem sabe que esses monstros que votam na direita nao mereciam estar vivos!
    Outrage!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 3:58 Quanto amor! Essaê as "cruacas" liberais e conservadoras "não mereciam estar vivas". Tô tão orgulhoso da senhora...

      Excluir
    2. Eu amo as "sobreviventes" que se acham revolucionárias e heróicas. Não deve ter feito nada pra melhorar o atendimento aos pacientes, e se fez, quanta vergonha de não ter aprendido o mínimo de humildade.
      Mas não, o que importa é obviamente se botar como alguém iluminado por ser de esquerda, como se alguém de direita fosse obrigatoriamente assassino and merecedor da morte.
      Bem, eu sou dessa geração que trata o filme e não pretendo nunca mais votar na esquerda e nem por isso me tornei essa pessoa medíocre, infeliz e monstruosa que deseja a morte dos outros gays, como o colega acima.
      Que ele melhore um dia, é o que desejo.

      Excluir
    3. Cruaca 10:30, dispenso seu pobre e desonesto (tipical) orgulho!
      Just think se hoje a cruaca está viva e saltitante deve a nos!
      Morre monstro!

      cruaca matusquela 17:35, dispenso seu "amor" (vc é incapaz disso!)
      Acredito que de uma forma ou outra ajudei e muito na melhoria do atendimento! Quanto a humildade, de fato não disponho de nenhuma!, principalmente em relação a gentalha do seu nível !
      Bye and fuck off freak

      Excluir
    4. Mon Dieu, a esquerdista deixa um comentário com discurso de ódio, é criticada pelos pares, mas não se emenda. Voltou para deixar bem claro sua perturbação. Não morreu da maldita, mas ficou sequelada, coitada.

      Excluir
  2. Achei um grande filme. Extremamente bem realizado, corajoso e ainda urgente. Grandes e marcantes cenas e, em especial, a da masturbação , prazer e gozo , na cama do hospital, alívio prá tanta dor. Impossível não lembrar de queridos amigos, que suportaram momentos de tanto sofrimento e estão ao lado de Deus. Oro sempre por todos e , por mistérios da vida, posso dispor de Boa saúde e tb ser um sobrevivente.

    ResponderExcluir
  3. O Mio Babbino Caro
    Eu lembro exatamente desse período.Foi uma mudança de rumo, deixou-se as manifestações "sócio-política" para se formar grupos de apoios às vítimas e de combates ao "câncer gay". Quanto horror, dor,tristeza e amor.
    Na linguagem iconoclasta de Condesssa (Nostro Mondo): "agora tínhamos uma doença só para nós".
    Não, era para "todos".
    De certa forma vencemos... para ver hoje, esse grau de desfaçatez e desrespeito para com essa história e a quem sobreviveu a ela.
    I Survived.
    R-E-S-P-E-C-T

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério, eu queria entender essa mágoa que babino tem de tudo e todos que não pertencem ao quadradinho da vida que ele ocupa. Lutou mesmo pela cura da aids? Conta aí, amigo. Conta onde vê tanta desfaçatez e desrespeito.

      Excluir
    2. 17:39 Nesse seu próprio comentário meu irmão Viado rssss mas não fiquei amargo igual à você, aliás quem você é rs

      Excluir
  4. Que Deus abençoe o capitalismo e a indústria farmacêutica com sua fome por lucratividade, ou estaríamos morrendo até hoje. A não ser, é claro, que o pensamento mágico reinante acredite que gritar na rua (ou no tuíter) seja condição sinequanon para o desenvolvimento de um antirretroviral. A questão foi a seguinte, pessoas: a demanda ficou gigantesca, e ofertar uma solução tornou-se viável. Period. Ok, a realidade não é um bom material para dramas e romances, mas não podemos perdê-la de vista, ok?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem mostrou pa alta demanda para a indústria farmacêutica foram os gritos na rua. Antes disso, essa doença não "existia" era (como a comunidade gay) varrida para debaixo do tapete. Ninguém, em nenhuma família, tinha um parente que morria de Aids. Da mesma forma que ninguém, em nenhuma família, era
      gay.

      Excluir
    2. 18:14 Os gritos nas ruas deram visibilidade, talvez tenham adiantado em um ou dois anos a disponibilidade do coquetel, mas foram os números frios da epidemia que estimularam o investimento de bilhões de dólares em pesquisas. Uma Gilead da vida, entre outras, só salvou vidas porque lucrou como nunca. Mas sempre há quem prefira uma narrativa romântica e heróica.

      Excluir
    3. Cara, um ou dois anos é tempo pacas para quem está doente. Ter adiantado o lançamento de um remédio em dois anos é uma façanha épica.

      Excluir
    4. Os números frios da epidemia não eram de conhecimento público. Gays não existiam, muito menos gays mortos por uma doença que só "afetava" gays. Foram os gritos nas ruas e na mídia que tornaram a epidemia conhecida.

      Excluir
  5. Essa geração está vendendo saúde? Pode ser. Mas eu vejo uma geração muito desinformada sobre AIDS/HIV. Ou uma geração que não liga de correr o risco de ter que tomar remédio para o resto da vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 11:23 Vendendo saúde? O nível de contaminação entre as beees novinhas do nosso Brasil varonil já atingiu um estágio alarmante, my dear.

      Entretanto sejamos práticos: Tomar um mísero comprimido por dia com pouquíssimas reações adversas, totalmente financiado pelo papai Estado, para lacrar numa 'Chem Fest' da vida, praticando bareback numa gangbang com direito a creampie, soa bastante razoável para um monte de gente.

      Enquanto isso, o canto melodioso de Pablo Vittar embala a histeria militante por mais liberdade sexual.

      Excluir
    2. Assino embaixo, a militância pra ser um nada é forte.

      Excluir
  6. Até hoje tem gente ~dando sorte. Até o dia que não der mais.

    ResponderExcluir
  7. parabéns tonya, a senhora tem melhorado nos posts

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com essa sua aprovação o Tony...

      Excluir