terça-feira, 26 de setembro de 2017

KHMER NO VENTILADOR


Em seu quarto longa-metragem como diretora, Angelina Jolie finalmente chegou lá. "First They Killed My Father" é um trabalho sério, competente, com cenas emocionantes e minuciosa pesquisa histórica. O filme - que já está disponível na Netflix - foi selecionado para representar o Camboja no próximo Oscar (é todinho falado em cambojano), e não duvido nada que conquiste uma indicação. As atrocidades cometidas pelo Khmer Vermelho, a alucinada milícia comunista que dominou o país entre 1975 e 1979, ainda são um assunto raro na telona, e ainda assim necessário. Com pouco mais de duas horas, "First They Killed My Father" (não sei por que não ganhou título em português) nem sempre é agradável de se ver, ainda mais porque a protagonista é uma menininha que sofre horrores num campo de trabalhos forçados. Quem quiser espairecer deve optar por "Star Trek Discovery". Mas quem quiser saber mais sobre um episódio relativamente recente da maldade humana em todo seu esplendor, vai ser recompensado com um dos filmes mais poderosos de 2017.

10 comentários:

  1. ... atrocidades cometidas pelo Khmer Vermelho, a alucinada milícia comunista que dominou o país... Dando munição para os direitremistas que acham que todo governo comunista é o diabo chupando manga tirar sarro dos esquertremistas que acham que a direita é o diabo comendo caviar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo o filme relata um fato, um acontecimento. Quem está fazendo picuinha é você.

      Excluir
    2. Esqueçam o diagrama de Nolan, migas! Esquerda e direita são coisas do passado. O atual espectro político brasileiro se divide em:

      Turma do lacre

      Isentões (Oi, Tony!)

      TIOZÕES DO CAPS LOCK

      Moralistas

      Pessoal da zueira

      Excluir
  2. Olhe lá se ela nao for indicada a categoria 'Direção'. E o filme não abocanhar outras indicações além da de filme estrangeiro.

    ResponderExcluir
  3. Viu isso, Tony? Fernanda Lima, depois de despejar todo aquele lixo cultural da extrema-esquerda nos lares brasileiros, decidiu proteger sua família tradicional: foi morar na terra de Trump.

    Socialismo no c* dos outros é refresco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Lixo cultural de extrema-esquerda", vulgo defender os SEUS direitos enquanto gay a nível de LGBT no perigosíssimo programa "Amor & Sexo"?

      Vai pastar, asno.

      Excluir
    2. En resposta a 13:09
      eu sou a comprovação viva de que a cura gay funciona! mas hoje tive uma recaída e chupei 3 rola

      Excluir
    3. Ao 13:34,

      Vejo mais um tolinho (A.K.A. idiota útil) que engoliu o conto da indignação contra a "cura gay".

      Se as babuínas soubessem ler e usassem essa habilidade para verificar na fonte a tal decisão judicial, entenderiam que foram vítimas de uma ação de mobilização social que tentou reeditar o já batido 'nós contra eles' e foi orquestrada por uma esquerda que nunca pensou duas vezes antes de rifar as bichas; vide negociatas de um passado bem recente.

      Se bem que ser rifado é melhor que sofrer fuzilamento, certo? Sob esse aspecto, o avanço da esquerda é inegável.

      Excluir
    4. Não só as babuínas não sabem ler. A OAB e Conselho Nacional de Psicologia também não, uma vez que se posicionaram contra e vão recorrer da decisão judicial!
      Mas numa coisa você foi esperto(a). Ser rifado é melhor do que sofrer fuzilamento no Estádio Nacional de Santiago do Chile ou morrer numa câmera de gás em Auschwitz, ou amarrado num pau de arara nos porões do DOPS paulistano.
      Ah como os regimes de direita foram e são generosos com as bichas!
      Boa pastagem!

      Excluir