quinta-feira, 17 de agosto de 2017

BOY NEON


Elias é bonito e resolvido. Trabalha numa confecção e não tem dinheiro no bolso, mas vive feliz e tem muitos amigos. Também tem muitos namorados, ou peguetes - não rolam ciúmes nem cobranças. Essa ausência de conflitos faz com que "Corpo Elétrico" se resuma a um retrato, bastante idealizado, de um gay na periferia de São Paulo. Cadê a homofobia? Cadê a angústia, que para a maioria das pessoas não precisa de quase nada para se manifestar? Elias não está nem aí: bebe, fuma, dança, trepa e anda de moto com a Márcia Pantera, um mito da noite paulistana. "Corpo Elétrico" vem tendo críticas ótimas, talvez porque seja o primeiro filme de pegada pernambucana rodado em SP (o diretor Marcelo Caetano foi assistente de direção em "Tatuagem" e fez o casting de "Aquarius"). Mas não bate com  meu gênero.

43 comentários:

  1. Filme pernambucano, preguiça define

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente prefere as "comédias" cariocas, inteligência define.

      Excluir
  2. claro, a senhora é uma cacura arcaica com verniz de moderninho... se chegou nos anos 90, já foi muito...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E vc lê o blog dele, curioso, não? E cadê algo que vc faça ou escreva pra gente ver se vc é melhor que as cacuras arcaicas? Ah não tem, né? Imaginei...

      Excluir
    2. Claro que leio. Para criticar, preciso conhecer antes. Não leio só o que gosto. E acredito que nem a tonya faça isso. Mas melhor falar só por mim...

      Excluir
  3. Não querendo mudar de assunto,poderiam fazer um filme contando a história de Herbert Daniel,daria um bom filme

    ResponderExcluir
  4. Não bate com seu gênero porque o roteiro nao foi o seu ne? Se vc tivesse feito algum trabalho para esse filme seria a maior obra de arte jamais feita!
    Esse filme é fantástico!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O currículo cinematográfico do Tony é uma piada (que nem ele leva q sério). Os conflitos no filme são mais sofisticados e menos lugar-comum. O pior que acredito que o Tony saiba disso. Porém: não estava com a mais boa vontade com o filme.

      Excluir
    2. Nossa, estava com a MAIOR boa vontade para com "Corpo Elétrico", tanto que fui ver no primeiro dia em cartaz - e paguei pelo meu ingresso, não foi cortesia, não.

      Quanto ao meu currículo, o fato é que escrevi mais programas de TV do que filmes. Mas neste momento estou trabalhando em três longas diferentes, sob encomenda de três produtoras diferentes. Aguardem.

      Excluir
    3. Tony mudo. Sempre respondendo com classe até os mais absurdos comentários.

      Excluir
  5. Só a perdição! Com uma libertinagem dessa como que os gays esperam que a sociedade os aceite? Depois falam de preconceito, homofobia, mimimi. Se queremos respeito, temos que nos respeitar. Fico grato que o mundo está mudando. Muitos gays estão se tocando. Estão largando a esquerda libertina e engrossando o coro da direita:

    http://br.blastingnews.com/politica/2017/04/grupo-gays-de-direita-critica-esquerda-e-quer-jair-bolsonaro-como-presidente-001607051.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com uma libertinagem dessa como que os gays esperam que a sociedade os aceite? Claro né, libertinagem só para heteros brancos, como Jair e seus filhos, que podem "comer" as gostosas de seus gabinetes se se preocuparem com respeito que os gays e mulheres submissos tem que ter.
      Nick

      Excluir
    2. Das 07:59, que viva a esquerda viu. Se esses gays aí estão manifestando apoio ao Bolso é porque a esquerda lutou tanto por direitos e liberdade para gays, que homossexuais podem sair por aí vomitando apoio a Bolsonaros da vida. Vocês gays de direita só possuem liberdade porque gays de esquerda lutaram para direitos a gays. Lutaram tanto, que vocês de direita se beneciaram tanto que podem vir a público apoiar o Bolso. Se não houvesse liberdade para gays graças a esquerda, vocês homossexuais de direita nem poderiam chegar perto do Bolsonaro pra falar com ele ou seus subordinados. Então seja humilde e ao menos agradeça a esquerda por lutar tanto pelo direito e dignidade para homossexuais.

      Excluir
    3. Sim, uma interrogação, por que Tony Goes permite que comentários de apoio a Bolsonaro sejam veiculados no blog?

      Excluir
    4. Tem razão, vou parar de aceitar esses também. Além do mais porque eu acho que a maioria é fake (se não todos).

      Excluir
    5. Alguns podem ser fakes, mas muitas não são. Até porque tem muito gay reacionário mesmo. Este blog é gay, apesar de tratar de assuntos diversos, e apoiar Bolsonaro num blog gay não é liberdade de expressão, é expressão de ódio e doença, porque gay que apoia o Bolso é um doente mesmo.

      Excluir
  6. Se fizessem um reality show de um dia de um frequentador de uma boate que tem na Barra Funda e que é uma das mais longevas, o resultado seria esse filme. Eu quando era guri, fui ver Garotos de Programas e achava akilo o máximo. Guris de 17 anos também acharão isso desse filme. Rezando para ver um filme roteirizado pelo Tony Goes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Gatão da meia idade é dele

      Excluir
    2. Mais ou menos. Eu só escrevi piadas para a versão final do roteiro, e nem todas foram usadas. Meu nome aparece nos créditos como produtor, não como roteirista. Mas assinei o roteiro final de "Avassaladoras".

      Excluir
    3. Que é péssimo, sejamos francos.

      Excluir
    4. Chorei do início ao fim. Que filme sofrido... De péssimo. Filme mais raso que um pires. Pena dessa geração que terá que assistir um filme desses e achar conceitualmente que isso alguma coisa de boa. Não é.

      Excluir
  7. Ao menos o elenco é bem negro, já que o gay da periferia não sofre homofobia e o caralho, então que pelo menos o filme seja digno da realidade na cor/raça das pessoas que residem na periferia.

    ResponderExcluir
  8. amei. verei com ctz. gosto de filmes com visão de autor. tem mais, nem tudo na vida gay é angustia sofrimento e homofobia. existe felicidade e esperança

    ResponderExcluir
  9. Mas toda história protagonizada por um gay tem que necessariamente retratar homofobia?

    Eu sou um gay de 34 anos e até hoje não sofri nenhum episódio traumático de homofobia.
    Sei que sou uma minoria sortuda, mas nem toda história é marcada por esse tipo de situação

    ResponderExcluir
  10. Cinema brasileiro, até quando? Acho que devíamos admitir que não sabemos fazer cinema e pronto. Economizaria dinheiro e parariamos de perder tempo com esses filmecos que deus me livre.

    ResponderExcluir
  11. Tony, vc dá pra viver de roteiro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Defina "viver".

      E não, eu não dou para viver.

      Excluir
    2. O Tony é um roteirista famoso e bem sucedido, ele não é parâmetro, tem que perguntar pra algum jovem roteirista começando a carreira por aí.

      Excluir
    3. Pesquisei a obra do Tony e achei bem razoável, pra não dizer outra coisa, nenhum filme que "quebrou" a bilheteria, além de séries de humor estilo Zorra Total na Multishow com aquele cara que fez o zelador em "Sai de Baixo". Como é mesmo o nome dele?

      Excluir
  12. Quero ver também.... Pena que não tem previsão de passar em Curitiba ainda.... :(

    ResponderExcluir
  13. Tem nu frontal masculino? Se não tiver nem perco meu tempo eu assistir.
    Falando nisso sinto falta daquelas postagens sua com foto de algum famoso com o pinto de fora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aparece bunda e saco. Pau não.

      Excluir
    2. Passa na banquinha e leva 3 porno por $10.

      Excluir
  14. O Mio Babbino Caro
    "vem tendo críticas ótimas" O filme é delicioso. Sempre é dito que a arte, não precisa refletir a realidade, ótimo, as meninas terminam, tomando banho de mar sem terem sofrido coió.
    No problem!

    ResponderExcluir
  15. Walt Whitman é o cara.

    ResponderExcluir
  16. Quem disse que roteiro tem que seguir aquelas cartilhas tipo Syd Field? Receitinha de bolo da avó? O conflito não precisa ser gritante, pode ser sutil. Ser gay no Brasil já é um puta conflito, ser alegre num país fodido como o nosso, que só discrimina. Acontece que tem bicha que passa por cima de tudo isso sem fazer o papel de vítima o tempo todo, com muita alegria e lacração. Atualize-se, Tony! Novos tempos, bee! Zero pras bibas datadas e invejosas! Dez pras monas felizes e bem amadas!

    ResponderExcluir
  17. Q filme fraquinho. Perda de tempo.A vida de bees pobrinhas é isso...coitadas.

    ResponderExcluir