terça-feira, 25 de julho de 2017

O CONSENSO DE WASHINGTON

Cada vez mais, a circulação de notícias e não-notícias pelas redes sociais se assemelha àquela fábula indiana dos cegos tocando num elefante: cada um entende o que estiver mais à mão. A entrevista que Washington Olivetto deu ao site da BBC Brasil é um exemplo cristalino disso. A manchete "Empoderamento feminino é um clichê" foi interpretada de maneiras opostas à direita e à esquerda. Teve gente que achou que o publicitário estava "desmascarando" o feminismo; teve gente que achou que ele estava denegrindo as mulheres. Não, galera, Washington só estava dizendo que o USO do empoderamento feminino pela propaganda resvala, muitas vezes, no clichê (e não só ele, é claro). Que preguiça de ler uma matéria até o fim, hein?

14 comentários:

  1. Tudo lindo, ok, vamos construir um mundo melhor, mais justo e harmonioso vigiando cada coisa que o outro dia e fala. Desde, claro, que esse outro seja a representação daquilo que odeio e acredito ser a personificação do mal. Caso contrário, faço cara de paisagem e me finjo de morto.
    Estou anos-luz de acreditar que esses espamos cada vez mais frequentes do discurso corretivo esteja mesmo atrás de um mundo melhor e não da agenda particular de um determinado grupo que se autointitula dono da verdade e não aceita jamais ser contrariado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou o próprio contrariado. Não é irônico.

      Excluir
  2. Você pode usar o bem-estar social como fachada para colocar o bem-estar capital em primeiro lugar. É só olhar os comerciais. Eu particularmente prefiro uma publicidade honesta que só venda a ideia do que utilizar de causas sociais pra me sensibilizar e vender tênis.

    Sobre o caso do Washington Oliveto: não sejam inocentes de acreditar que a publicidade tá aí pra fazer um mundo melhor não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que antigamente era sexo que vendia, agora o que vende é ativismo

      Excluir
    2. Exceto Madres Terezas de Calcutá, nenhuma profissão tem as manhas de "querer um mundo melhor"
      Business é Business e vice-versa

      Excluir
  3. Ninguém lê mais artigo de internet. YouTube é o futuro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendo como alguém pode ter paciência de assistir aqueles vídeos dementes e arrastados que esticam por 15 min o que poderia ser dito em no máximo 3.

      Excluir
  4. Eu nem lembrava que esse cara ainda existia, agora lembrei mas ainda não sei pq ele existe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rs. Exatamente. Vários velhinhos polemizando nas redes para não caírem no esquecimento. Vide Bibi Ferreira que não me engana quando solta suas pérolas sobre gays.

      Excluir
  5. Kkkkkk aplausos 15:37!

    ResponderExcluir
  6. Tony, eu li a entrevista do Washington e concordei com muita coisa que ele disse. Também acho que termos "modinha" são desnecessários e muito inúteis e não vi problema dele dizer que "empoderamento feminino é clichê", mas vamos admitir que a comparação de mulher com carro e alegar que 100% do alvo da Porsche é masculino(como se não tivessem muitas mulheres que compram Porsche) é um pensamento bem ultrapassado e preconceituoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Trust him, nenhuma mulher compra Porsche.

      Excluir
    2. Anônimo de 25 de julho das 21:40.
      http://emais.estadao.com.br/noticias/comportamento,mulher-de-79-anos-e-multada-dirigindo-porsche-a-240-kmh,70001903959

      NENHUMA mulher dirige Porsche?!! Em qual caverna o sr saiu? Sabia que estamos no século XXI. Que mente atrasada a sua, kk

      Excluir
    3. A Val Marchiori até conseguiu um empréstimo milionário do Banco do Brasil para comprar um Porsche...

      Excluir