quinta-feira, 20 de julho de 2017

FNACULTURA

O momento em que entrei numa FNAC pela primeira vez foi daqueles em que eu achei que tinha morrido e ido para o céu. Foi na imensa loja subterrânea do Forum Les Halles, em Paris, em 1982. Ela se expandia para baixo e para os lados em progressão infinita, como a Biblioteca de Babel de Jorge Luís Borges. Qual não foi meu orgasmo múltiplo quando a cadeia abriu sua primeira filial no Brasil, no final da década de 90 - e bem perto de onde eu morava na época. Tive os mesmos frêmitos de prazer quando a Livraria Cultura inaugurou sua primeira megastore, no shopping Villa-Lobos, também próximo ao meu antigo endereço. Parecia o slogan do Pintos Shopping de Teresina: tudo o que você mais gosta, no lugar que você que sempre quis. Frequentei os dois locais durante anos, e depois suas novas unidades na Av. Paulista. Cheguei a ter cartão FNAC por um bom tempo, e ainda estou cadastrado no programa Mais Cultura. Mas aí veio a internet, esse meteoro que causou a extinção dos CDs físicos. Comecei a ir na Cultura só por causa dos livros, e na FNAC - bom, quase nunca, porque ela retomou por aqui sua vocação original: um magazine de eletrodomésticos. Mesmo assim, foi com tristeza que soube das notícias de que a cadeia francesa estava saindo do Brasil e que a brasileira estava em apuros financeiros. Ontem, no entanto, uma supresa: a Cultura vai assumir as 12 lojas da FNAC no Brasil, que manterão o nome original - e também o atual mix de produtos, muito mais voltado para telefonia e informática. Adorei, até por que irão sobreviver duas marcas que eu amo. E o espaço que elas ocupam não vai ser invadido por igrejas evangélicas: ô glória!

31 comentários:

  1. Há aqueles que não podem imaginar o mundo sem sexo
    Há aqueles que não podem imaginar o mundo sem musica
    Ao que me refere, sou incapaz de imaginar um mundo sem livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A leitura estimula o raciocínio.Já fui viciada em leitura , parecia uma droga uma vez dentro é difícil
      sair, cheguei a ler nas férias do trabalho 30 livros em um mês

      Excluir
    2. 12:56 e 13:45, humble brag descarado.

      Excluir
    3. Eu acho a televisão muito educativa. Toda vez que alguém liga o aparelho, eu vou para a outra sala e leio um livro

      Excluir
    4. 13:45 continue lendo. Isso é uma das mais maravilhosas aventuras que alguém pode ter

      Excluir
    5. Ao 14:53: isto se falava da TV nos anos 1950.

      Você também é contra o cinema, o samba e o maxixe?

      Excluir
    6. Tem letras de samba que são verdadeiras obras primas, maxixe faz parte da cultura popular e o cinema tem muitas coisa boa nacional e internacional . Agora fio a televisão na minha opinião não tem nada que preste

      Excluir
    7. Ô se tem. Você que não sabe escolher.

      Excluir
    8. Só lembrando, ler e ver tv não se excluem necessariamente...

      Excluir
    9. Ruim seria si ele(14:52) largasse o livro cada vez que alguém liga o aparelho para ir ver televisão

      Excluir
  2. Multiplica, Senhor!!!

    ResponderExcluir
  3. O ato da leitura é muito bom. Expande os horizontes, aumenta o vocabulário e nos torna mais flexíveis para argumentar

    ResponderExcluir
  4. Não tenho grana para comprar muitos livros , mais praticamente todos os dias passo em alguma livraria e leio um bom poema , escuto uma linda canção, e contemplo um belo quadro nos livros de arte e chego em casa dizendo algumas palavras bonitas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com todo respeito e sem querer chochar ninguém publicamente, MAS está precisando ler mais, colega.

      Excluir
    2. Ao 13:52 também adoro lê nas livrarias

      Ao 15:11 teu comentário é tipo dos 44 por cento dos brasileiros que não Lê nada

      Excluir
    3. Vale a pena pesquisar a localização de bibliotecas públicas na sua região, tudo de graça e com livros que não são mais editados :)

      Excluir
  5. Jair Bolsonaro e seus militontos sempre fazem vídeos detonando artistas, escritores, Diretores contrários as suas ideias . Brasil é um pais que não ler quase nada,não vai ao teatro os teatros estão falindo O que será da cultura se este deputado fiscal do Cu das gays ganha as eleições de 2018 de um pais que já não ler quase nada. Acho que este deputado escroto somente vai incentivaria livros religiosos, teatro e cinema falando bem dos militares ou exposições de auto retratos de generais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E por acaso o seu deus Lula lia e incentivava a leitura?

      Excluir
    2. 15:12 que eu saiba nunca fez vídeo atacando os artistas como o Bolsonaro e seus militonstos e durante sua gestão o numero de escolas técnicas passou de 11 (governo de FHC ) para 215 , faculdades quadriplicara também , negros passaram a ter mais acessos nas universidades etc... Durante sua gestão o cinema brasileiro cresceu muito
      O governo do analfabeto não foi mal no quesito educação e cultura si comparado com os governos anteriores dos letrados e olha que eu sou coxinha mas não sou cego

      Excluir
    3. ao 15:51 Completando seu comentário , ao contrario do presidente analfabeto que facilitou o acesso dos negros na universidade , Bolsonaro falou que os negros não servem nem pra procriar e no seu governo não dará nem um centavo p essa gente, e isso que a maioria dos brasileiros são negros ou pardos . Brasil ignorante é mais fácil de ser dominado e manipulado

      Excluir
    4. 16:32 E AGORA OS LETRADOS DO PSDB E PMDB APOIADOS PELO BOLSONARO ESTÃO NO PODER E O PRIMEIRO QUE FIZERAM FOI CONGELAR OS GASTOS COM A EDUCAÇÃO, ASSIM QUE O EX- PRESIDENTE ANALFABETO EM COMPARAÇÃO COM OS LETRADOS LEVA 10 NO QUESITO EDUCAÇÃO

      Excluir
  6. Mas por quanto tempo a Cultura vai sobreviver depois que a Amazon fincar os 2 pés aqui?

    ResponderExcluir
  7. Essas grandes livrarias sempre foram tolerantes com as pessoas que dão uma lida em boa parte do livro né, muitas delas tem poltronas bem confortáveis, mas a Fnac aqui em Lisboa tem até uma sala de leitura. Por aqui é pra comprar eletrônico e ingressos pra show/teatro. O mais curioso é que cultura/entretenimento em Portugal é barato, menos livro que é caríssimo, mas é um povo q tá sempre com um livro na mão. Não se se não se importam em pagar caro ou é pq as bibliotecas públicas são muitas.

    ResponderExcluir
  8. Acho que alguns leitores aqui não abrem um livro desde "Harry Potter"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. querido joão teu comentariozinho fraquinho é uma forma de diminuir o que o outro fala sem se explicar. Mas todos sabemos que só gente fraquinha na leitura faz esse tipo de comentário.

      Excluir
    2. Acho lindo quem se acha superior aos outros.
      Tenho certeza que alguns bolsomitos acham vc escória por dar o edi.
      Entre eles e vc, só muda o critério do julgamento.

      Excluir
    3. a joaninha adora "Harry Potter" que fofinha , parou na infância

      Excluir
    4. Não dou, Anônimo 08:31 (adoraria, mas não consigo).

      Gente, só uma crítica válida à limitação das pessoas em termo de assuntos de livros. Adoro Harry Potter, mas não dá para parar nele.

      Excluir
    5. 16:05 e qual é a limitação das pessoas que comentaram aqui? 99 por cento dos comentários foi sobre o prazer que sentem lendo um livro . Vai aprender a ler seu analfabeto

      Excluir
  9. Cultura comprando a FNAC é tipo quando a Modern Sound investiu numa maxi-reforma de ampliação no ano da virada do Napster.

    http://economia.estadao.com.br/noticias/negocios,livrarias-sentem-crise-e-efeito-amazon,70001688018

    ResponderExcluir
  10. O mio babbino caro
    Não paro de me surpreender como nossas experiências foram semelhantes...
    Cultura/FNAC Sob A bênção da mãe do mercado "a" BNDS.

    ResponderExcluir