sexta-feira, 16 de junho de 2017

VOYAGE VOYAGE


Faço muito turismo no cinema. Adoro passar duas horas viajando, mesmo se o filme for ruim. "Paris Pode Esperar" é médio: a trama e os personagens não tem lá muita substância, mas as paisagens são maravilhosas e a comida é tentadora. Dianne Lane (uma atriz que Hollywood precisava usar mais) faz a mulher de um produtor de cinema que desiste de acompanhá-lo a uma viagem de negócios a Budapeste, preferindo pegar carona de Cannes a Paris no velho Peugeot de um amigo do marido. O que era para ser um trajeto de oito horas acaba levando três dias, pois o francês faz questão de parar em cada restaurante e atração turística pelo caminho (inclusive a gloriosa Pont du Gard, o aqueduto romano que aparece no trailer aí em cima e que eu tive a honra de conhecer em 2014). Fica aquela tensão boba no ar: os dois vão ou não vão para a cama? "Paris Pode Esperar" é o primeiro longa de ficção dirigido por Eleanor Coppola (aos 80 anos de idade!), esposa de Francis e mãe de Sofia. É bem a fantasia de uma mulher casada e privilegiada, mas totalmente inofensivo. Não chega aos pés do resto da obra da família, mas enche os olhos e abre o apetite.

4 comentários:

  1. eu não estava interessado no filme. agora, com o seu texto e com o trailer acho que vou gostar.

    será que vai ser um clássico tipo Sob o Sol da Toscana?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem possível. Inclusive compartilham a mesma atriz.

      Excluir
  2. Aprecio bastante seus comentários, Tony, mas em matéria de mulher, não muito. Acho Diane Lane canastrona e Jessica Lange um tanto quanto [é verdade que sua lista de preferências é bem mais longa que o questo catalogo de Don Giovanni]. E 'Sob o sol da Toscana', com todo Raul Bova, é subproduto americano e deleite para a tarde das vovós.

    ResponderExcluir
  3. e aquela história das meias? a mulher anda com meias do marido na bolsa? como assim?

    ResponderExcluir